Comissão de Saúde da Alese vai a Aquidabã discutir fechamento do Hospital

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 11/04/2015 às 11:22:00

A Assembleia Legislativa de Sergipe, através da Comissão de Saúde estará presente na próxima terça-feira (14), na cidade de Aquidabã, objetivando encontrar uma solução para a reabertura do hospital, que é filantrópico e que foi fechado após uma interdição ética do Conselho Regional de Enfermagem sob alegações técnicas. Com mais de 20 anos de prestação de serviços em Aquidabã e região, o hospital Santa Cecília atende em média 2,5 mil pessoas por mês.

Diante da situação, o coordenador do hospital, João Feitosa, e os Servidores estiveram na Assembleia Legislativa pedindo a ajuda dos deputados para que seja encontrada uma solução e que a Unidade de Saúde seja aberta imediatamente. "Tudo que for necessário para buscarmos uma solução, a Assembleia Legislativa está à disposição. O que não pode é o povo ficar sem atendimento. Quem sabe o que um pobre não ter um hospital desse funcionando, não pode ficar de braços cruzados. A Assembleia vai na terça e buscaremos uma solução". Garantiu o Presidente Luciano Bispo (PMDB-SE).

A deputada Silvia Fontes (PDT-SE), presidente da Comissão de Saúde da Assembleia, constituiu um grupo de parlamentares para fazer uma visita ao hospital, "O que não pode é a gente vivendo dificuldades tão grandes de atendimento médico e a gente encontrar uma entidade filantrópica, querendo fazer por amor ao trabalho, amor ao próximo, nós precisamos nos somar e resolver o problema". Outros deputados, como o médico Gilson Andrade (PTC-SE), também foram solidários.

Para o líder do governo, o COREN fez um "desserviço à população. Fizeram um espetáculo na Cidade. Convidaram toda a imprensa e levaram as principais televisões para a Cidade, além da Polícia Federal para garantir a entrada deles no hospital". Indignado, o deputado Gualberto (PT-SE) questionou, "a quem o COREN quis servir com essa atitude. Alguém está por trás disso e nós vamos descobrir e denunciar".