Déda diz que André deve explicações à justiça

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Déda
Déda

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 25/07/2012 às 02:50:00

Chico Freire
chicofreire@jornaldodiase.com.br

O governador Marcelo Déda (PT)  chamou de "cortina de fumaça" a reação do deputado federal André Moura a sua declaração de que  "o programa de governo do PSC é um talão de cheque". O parlamentar,  que é o presidente estadual do PSC,  disse que o governador terá que se explicar.
"Cortina de fumaça para tentar desviar a atenção daquilo que foi divulgado no Brasil inteiro. Então, quem tem que explicar sobre corrupção é quem está sendo processado no Supremo Tribunal Federal, por corrupção e formação de quadrilha, que é André Moura", disse Déda.

O governador esclareceu  o contexto em que pronunciou a frase sobre o talão de cheque. "O que eu disse foi que se Almeida Lima tiver razão o programa de governo do  PSC é um  talão de cheque",  explicou. Almeida Lima afirmou que os imãos Amorim, que controlam o partido em Sergipe, lhe pediram mais de 5 milhões de reais em troca de apoio a sua candidatura a prefeito de Aracaju pelo PPS.

Acrescentou Déda: "Por que eu disse isso? Porque todos os partidos defendem ideias quando vão discutir uma candidatura, discutir projetos e propostas;  não se conhece uma ideia que André Moura defendeu; um projeto que os Amorim trouxeram para o debate eleitoral de Aracaju; uma ideia não foi discutida, uma proposta não foi apresentada. Onde está o programa de governo?", questionou.

Segundo o governador, "na hora em que Almeida Lima disse que a discussão foi em torno de dinheiro, me autorizou a concluir que se ao invés de discutir programa está se discutindo dinheiro, é porque o programa de governo deles é um talão de cheque".

Confiança - Déda está confiante na vitória do seu candidato a prefeito de Aracaju, Valadares Filho, do PSB.  "Ele mobilizou a militância, os bairros de Aracaju, para que juntos todos possam ir para as ruas, defender o projeto que modernizou Aracaju e que tirou Aracaju da lista de cidades que não cresciam para colocar na vanguarda do desenvolvimento urbano do País", disse.

A seu ver, trata-se "de um projeto que ainda tem muito a fazer;  é um projeto que também tem erros, mas que vai ter, sobretudo, com Valadares Filho, a possibilidade de preservar as conquistas e inovar, trazendo novas ideias, novas propostas, novos serviços e novos investimentos para que Aracaju continue seguindo em frente".