ADALBERTO MOURA, AOS 90

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 26/04/2015 às 00:48:00

Homem discreto, simples, rigoroso na condução da própria vida, Adalberto Moura chega aos 90 anos cercado da família e dos muitos amigos que sempre soube fazer, dando especial valor à palavra amizade. Funcionário destacado do Banco do Brasil ele ocupou cargos de direção também no BANESE. Sem ser político, foi vice-governador de Sergipe. Aconteceu assim: Indicado o engenheiro Paulo Barreto, para suceder Lourival, o general-presidente Médici rejeitou uma lista inicial. Elaborada uma outra lista com dois nomes de políticos, Paulo Barreto sugeriu que o terceiro fosse Adalberto Moura.  Um amigo ao saber dos nomes da lista, encontrando-se com Adalberto, disse-lhe que ele seria o escolhido, e ele considerou aquilo improvável ou impossível. Não deu outra, e o motivo era simples: O carrancudo Médici tinha ojeriza aos políticos, e Adalberto era técnico, com um currículo que agradava aos militares.