Deus é o meu refúgio

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 26/07/2012 às 14:56:00

* Paiva Netto

Aos que também carpem as muitas lutas diárias, consagro esta conversa com Aquele que nos pode ouvir, mesmo quando arrogantes e pretensiosos: Deus é o meu refúgio Ó Deus, que sois o meu refúgio, a Vós, outra vez, ergo o meu pensamento e encontro resposta aos meus propósitos.

Longe de mim as cassandras do desânimo, que anunciam um Juízo Final sem remissão, quando sois Vós - em tudo - o Princípio Eterno da permanência pujante de vida. De Vós não escuto o abismo; todavia, a redenção.

Creio no Amor Universal, que conduz à sobrevivência o gênero humano, que é teimoso em subsistir, apesar das muitas ciladas que lhe são dispostas no caminho.

Esta é a minha Fé Realizante, que vive em Paz com as outras; o meu ideal ecumênico de Boa Vontade, que se esforça pela confraternização de todas as nações, por serem formadas por criaturas Vossas, ó Criador Único de Céus e Terra! Sois a Fraternidade Suprema, o abrigo dos corações. (...) Achei-me a mim porque me identifiquei no Vosso Amor. Sois o auxílio conclusivo à minha Alma.

Sinto o meu ser transbordar de alegria. Em Vosso Espírito, reconheço-me como irmão dos meus irmãos em Humanidade. Nesse Éden, que é o Vosso Sublime Afeto, não me vejo como expatriado, abatido pelas procelas do desalento. Enfim, me encontrei, ó Deus!, porque Vos encontrei.
(...) No Vosso Divino Seio, achei guarida; sob Vosso Amor, meu seguro teto; no Vosso Colo, descanso para a Alma.

Graças Vos dou, Pai Magnânimo, por me ouvirdes! Sois integralmente Amor; portanto, Caridade, Mãe e Pai da verdadeira Justiça.

Em Vós habita, com fartura, a genialidade pela qual tantos almejam, pois dela o planeta carece: a Vossa Majestosa Luz, que baixa a nós indistintamente, mesmo que não o percebamos.
Confiante em Vosso Critério Sobrenatural, entrego-Vos meu destino, porque a minha segurança de filho consiste na Vossa Sabedoria de Pai!
Que assim seja! Desta forma conclui a sentida prece. Nada melhor que falar com Deus, sobretudo nas horas em que espiritualmente nos devemos fortalecer, que afinal são todas elas. Quem não sofre neste orbe ou padece da privação de alguma coisa que as satisfações terrenas mais sofisticadas não suprem a falta? Busquemos na Fé a Esperança de que necessitamos para nossa sustentação física, mental e espiritual. Que Fé? Escolha a sua.

Ao terminar a minha oração, sentia em mim o bafejo da clemência de nosso Amabilíssimo Educador.
O notável cientista francês Alexis Carrel (1873-1944), Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina (1912), após exaustivo estudo, definiu: "A oração verdadeira é um caminho da vida; a vida verdadeira deve ser um meio de oração".

Está certo o sábio Carrel. Qualquer libertação - que não faça do ser humano escravo - tem início na região do Espírito. Portanto, não haverá brado de Independência definitivo se, pela indispensável educação da mente e do coração, for, no Terceiro Milênio, esquecido que não há nação forte se os seus componentes não souberem o que fazem neste mundo. Voltaremos ao assunto.

* José de Paiva Netto é Jornalista, radialista e escritor (paivanetto@lbv.org.br / www.boavontade.com )