Duda e Tainá são campeãs em Campo Grande

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Campeã nesta quarta-feira  em Campo Grande, a sergipana Duda Lisboa estará presente no Mundial Escolar de Vôlei de Praia em Aracaju
Campeã nesta quarta-feira em Campo Grande, a sergipana Duda Lisboa estará presente no Mundial Escolar de Vôlei de Praia em Aracaju

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 11/06/2015 às 00:31:00

As sergipanas Duda e Tainá voltaram a fazer dupla no Circuito Nacional Sub 23 e brilharam na etapa de Campo Grande, conquistando nesta quarta-feira 10, mais um título de campeãs, subindo no lugar mais alto do pódio. A competição foi realizada no Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande (MS).
Para chegar ao título, as atletas derrotaram na decisão a dupla Ana Patrícia/Rebecca (MG/CE) por 2 sets a 1 - parciais de 18/21, 21/14 e 15/2 em tie break interrompido, devido a lesão da atleta Ana Patrícia. Andressa e Paula Hoffmann (PB/RJ) ficaram com o bronze.
Os campeões do sub-23 recebem R$ 3,7 mil como premiação, além de 200 pontos no ranking que define os campeões da temporada. A próxima parada das sergipanas ocorrerá de 30 de junho a 2 de julho em Vitória (ES). Após a conquista do título. Duda ressaltou sua parceria com Tainá, com quem já havia sido campeã mundial sub-19 em 2013.

- É muito bom jogar ao lado da Tainá. Temos essa química muito grande, que vem desde o título Mundial Sub-19. Ficamos quatro meses sem nos vermos e treinarmos. A volta foi muito legal. É um entrosamento bastante natural. E jogar o Sub -23 é muito bom. São atletas mais próximas da minha idade, pessoas que conheço desde os torneios da base. Fico feliz de ter conquistado esse título", declarou Duda.
A decisão feminina também colocou frente a frente duas campeãs dos Jogos Olímpicos da Juventude. Se na China elas estiveram do mesmo lado para conquistarem o ouro - na primeira participação do vôlei de praia no torneio olímpico de base - em Campo Grande (MS), Duda e Ana Patrícia duelaram em lados opostos. E em um lance de azar, a mineira acabou torcendo o tornozelo, abandonando a partida no tie-break e ficando com a prata.
"Claro que nunca é legal vencer quando o adversário se lesiona, eu tenho muito carinho e respeito pela Ana Patrícia, conquistamos uma Olimpíada juntas. É triste, mas temos que entender, faz parte da vida de atleta. Ela vai se recuperar e continuar chegando longe, é uma jogadora com muito potencial", destacou a sergipana.