Assembleia Geral aprova as mudanças profundas e moderniza Estatuto da CBF

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Assembleia Geral da CBF aprova mudanças radicais no estatuto da entidade com mais autonomia para os clubes
Assembleia Geral da CBF aprova mudanças radicais no estatuto da entidade com mais autonomia para os clubes

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 12/06/2015 às 00:59:00

Rio de Janeiro, RJ - Como era aguardado, a assembleia extraordinária convocada pela CBF derrubou nesta quinta-feira 11, o poder de veto da entidade sobre as decisões dos conselhos arbitrais. Com isso, os clubes brasileiros terão participação mais ativa na organização de campeonatos nacionais - mas não poderão mexer no calendário. A CBF também irá limitar os mandatos de seus presidentes a um período máximo de oito anos. As mudanças passam a valer a partir da publicação da reforma do estatuto, o que deve ocorrer nesta sexta-feira.
No encontro, porém, não se chegou a um acordo sobre quem será o sucessor de Marco Polo Del Nero, em um eventual impedimento do presidente. Pelo estatuto é o vice mais velho entre os quatro existentes - José Maria Marin, o quinto, está suspenso - quem assumiria o cargo. Mas a cúpula da CBF estava disposta a modificar a regra.

"Esse assunto não foi tratado. Não estava na pauta e esse assunto vai ser tratado na hora certa, se houver necessidade", garantiu o deputado federal Marcus Vicente (PP-ES), um dos quatro vices e o preferido de Del Nero para assumir o cargo.
A partir de 2019, a CBF extinguirá três cadeiras e elegerá apenas dois vices - semelhante ao que ocorre em alguns clubes de futebol do País. Dessa forma, o primeiro vice-presidente se torna o sucessor em eventual vacância do mandatário.

A entidade decidiu também pela criação de um conselho de ética. Durante o encontro, Del Nero teria afirmado que só assinará contratos a partir de agora com a anuência do diretor financeiro ou tesoureiro da entidade.
Com a aprovação do fim do poder de veto da CBF nos conselhos arbitrais, os clubes terão participação mais ativa na organização dos campeonatos nacionais. "Eles saem fortalecidos", afirmou Francisco Novelletto, presidente da Federação Gaúcha de Futebol, o primeiro a deixar a reunião.