Subvenções: TRE se fecha para ouvir "Carlinhos"

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Chegada de Nollet Vieira Feitosa para depor no TRE no processo das subvenções
Chegada de Nollet Vieira Feitosa para depor no TRE no processo das subvenções

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 17/07/2015 às 00:31:00

Gabriel Damásio
gabrieldamasio@jornaldodiase.com.br

Silêncio, segredo, por-tas fechadas. Este foi o principal cenário preparado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE/SE) para receber a mais aguardada das testemunhas do processo que apura o escândalo do uso irregular das verbas de subvenção da Assembleia Legislativa (Alese). Ontem de manhã, durante cerca de três horas, o empresário Nollet Vieira Feitosa, o "Carlinhos", apontado como operador do esquema que envolve a Associação de Moradores e Amigos do Bairro Nova Veneza (Amanova), prestou depoimento diante do juiz relator Fernando Escrivani Stefaniu e dos procuradores Rômulo Almeida e Eunice Dantas Carvalho, do Ministério Público Federal (MPF/SE). Foi a primeira aparição de Nollet em público desde junho, quando foi preso pela Polícia Civil e assinou um acordo de delação premiada com o Ministério Público Estadual (MPE).

Ao contrário do que aconteceu em todas as outras audiências, a sessão de ontem foi fechada ao público e à imprensa. Os jornalistas foram mantidos no hall de entrada do TRE e não puderam descer para a sala de audiências, onde só foi permitida a presença dos advogados, procuradores, servidores do tribunal, policiais federais e seguranças do tribunal. Nollet chegou à sede do órgão, no Capucho (zona oeste), por volta das 7h55, acompanhado de um advogado. Vestido com uma camisa listrada branca e com as mãos nos bolsos de uma calça jeans desbotada, a testemunha entrou pela porta da frente, andando devagar e demonstrando tranquilidade, mas mordendo os lábios e com o rosto levemente nervoso.

"Carlinhos" e o advogado chegaram a dizer que falariam com os repórteres ao final da audiência, mas, quando tudo acabou, eles recuaram: saíram pelos fundos do prédio e por um portão alternativo. Este foi o mesmo caminho tomado pelos procuradores do MPF, bem como pelos advogados da ex-deputada Susana Azevedo e dos deputados Augusto Bezerra (DEM) e Paulo Hagenbeck Filho (PT do B), autores da indicação para que a Amanova recebesse R$ 2,325 milhões em subvenções no ano passado. Os dois lados foram igualmente unânimes ao se calar, alegando "segredo de justiça".

Para acalmar a raiva dos jornalistas, o TRE preparou uma coletiva com o juiz Stefaniu, antes da audiência e na entrada do órgão. Ele explicou que o isolamento da audiência de Nollet foi necessário para garantir a segurança da testemunha e do próprio andamento do processo. Para o magistrado, as informações reveladas pelo empresário são consideradas fortes, o que justificaria tal cuidado. "Temos informações de que algumas testemunhas poderiam ter a sua integridade física ameaçada, por algumas informações que eles tenham a dar. Nesse sentido, dentro do que me cabe, tenho a obrigação e a prerrogativa de limitar a publicidade ou exposição de algumas testemunhas, para preservar a própria tranquilidade das testemunhas e que elas possam falar e contribuir para os esclarecimentos dos fatos", justifica Fernando.

Nollet é acusado pela polícia e pelo Ministério Público de sacar e repassar R$ 1,1 milhão em verbas da Amanova para o próprio Augusto Bezerra, para a presidente da entidade, Clarice Jovelina de Jesus, e outros dois envolvidos. O valor não foi aplicado na construção de uma creche na sede da Amanova, a qual segundo o MPF, sequer desenvolvia atividades na comunidade. No depoimento aos promotores do MPE, "Carlinhos" admitiu todo o esquema e entregou provas documentais sobre a movimentação nas contas da associação.

No entanto, Stefaniu esclarece que estes fatos não são levados em conta no processo do TRE, o qual apura se o dinheiro da Alese foi ou não usado em práticas proibidas pela Lei Eleitoral, durante a campanha de 2014. "A delação é um instrumento de processo para crimes, que estão em apuração na Justiça Estadual. Não é objeto do nosso processo. Todos os que estão sendo ouvidos estão na condição de testemunhas ou informantes", disse o relator, afirmando ainda que as penas previstas para as irregularidades apuradas vão da multa à cassação do mandato dos políticos eleitos.

Mais silêncio - O mesmo sigilo se aplica os depoimentos de outras 10 testemunhas convocadas nesta fase e também consideradas muito importantes. Nove delas foram marcadas para a audiência da tarde, que terminou ao início da noite e aconteceu igualmente a portas fechadas, em silêncio e longe dos jornalistas. Duas testemunhas não compareceram e seus nomes não foram revelados.
Entre os convocados, estão o empresário José Agenilson de Carvalho e o motorista Wellington Luiz Góes Silva, apontados como os outros recebedores de cheques repassados pela Amanova. Assim como "Carlinhos", os dois também foram presos pela Polícia Civil e recorreram à delação premiada do MPE. A assessora parlamentar Elisa Maria Meneses, ligada ao deputado Augusto Bezerra, também foi chamada para falar sobre o caso da Amanova.

Estavam previstos ainda os depoimentos de pessoas ligadas à Associação Sergipana de Produtores de Eventos (Aspe), que recebeu R$ 725 mil de subvenções indicadas por Suzana Azevedo, Paulo Hagenbeck Filho e José Ramos da Silva, o "Zeca". Sobre ela, foram chamadas Edivânia Menezes, proprietária do imóvel apontado como sede da Aspe, e Alessandra Santos Menezes, sócia da empresa Avalanche Produções, que recebeu valores da associação.