Presidente da OAB nega autoria de vídeo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 03/08/2015 às 22:23:00

O presidente da OAB, Carlos Augusto, e a advogada Roseline Morais, secretária Ajunta da Ordem, não gostaram nem um pouco das insinuações do pessoal de oposição à diretoria, que tentaram responsabilizar o grupo deles pela circulação na internet de um vídeo de muito mau gosto criticando o acordo entre Inacio Kraus e Henri Clay. Tão logo tomaram conhecimento dos vídeos, tanto Carlos Augusto quanto Roseline criticaram a baixaria e repudiaram com veemência a ofensa aos advogados. Numa postagem em seu facebook, Carlos Augusto foi enfático ao afirmar que "como advogados, aprendemos a conviver diariamente com a divergência e com debates contrários, mas sempre devendo prevalecer o respeito. Essa palavra, no momento, é a palavra de ordem e da Ordem".

Já Roseline Morais, que é pré-candidata a presidente do atual grupo que dirige a OAB, também foi dura na condenação desse tipo de material que circula nas redes sociais, classificando-os como "vídeos de muito mau gosto e ofensivos a dois amigos advogados. Esse tipo de campanha não contribui. Não concordo com isso. Em minha vida sempre tive posição firme, mas firmeza não se coaduna com desrespeito", afirmou. Apesar dessa condenação pública e enfática, a oposição tentou de todas as formas responsabiliza-los. Isso também causou indignação nos advogados porque quem conhece Carlos Augusto e Roseline sabem que são pessoas civilizadas e respeitosas, inclusive no trato com adversários.
Em muitas situações, a internet tem tido seu território livre transformado num espaço de agressão e ofensa às pessoas. A própria Roseline e Carlos Augusto têm sido vítima desse tipo de comportamento por conta da disputa na OAB, mas têm sabido distinguir o que é uma ação irresponsável de um gaiato qualquer, que atua para tumultuar o processo, das posições de disputa política dos postulantes à presidência da Ordem. Mais do que isso, têm tido a maturidade de não valerem-se oportunisticamente de ações irresponsáveis de quem quer que seja para atingir os adversários na disputa. É uma atitude sensata e decente.