Rogério participa de debate no Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Rogério Carvalho fala para os secretários municipais de Saúde
Rogério Carvalho fala para os secretários municipais de Saúde

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 07/08/2015 às 00:06:00

O desafio de aperfeiçoar a organização do Sistema Único da Saúde (SUS) para que ele se torne cada vez mais eficaz, atenda às necessidades de todos os brasileiros e brasileiras com regularidade e encontre novos caminhos para seu financiamento. Esta foi a tônica da participação do secretário de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde (SGEP/MS), Rogério Carvalho, no primeiro dia de atividades do XXXI Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Congresso CONASEMS), que acontece até o próximo sábado (8), no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília (DF).

Na mesa 'Modelos de Gestão do SUS', Rogério debateu, juntamente com o secretário de Saúde do Estado de Minas Gerais, Fausto Pereira dos Santos, e o secretário municipal de Saúde de Horizonte (CE) e presidente do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Ceará (Cosems/CE), Josete Tavares, o tema 'Articulação Federativa e Governança Executiva nas Regiões de Saúde'. O debate foi mediado pela secretária adjunta de Saúde de Natal (RN), Terezinha Oliveira.

A necessidade de organização sistêmica do SUS, com compartilhamento de responsabilidades sanitárias entre União, Estados e Municípios para aumentar a oferta e efetividade do atendimento foi um dos destaques. "O desafio é grande e, somente com todos os entes envolvidos, podemos fazer a defesa e a reestruturação necessária ao SUS. Precisamos dialogar e criar uma agenda propositiva, discutindo questões essenciais como o financiamento da saúde, o papel preponderante dos municípios e a importância da complementariedade de ações de Estados e Governo Federal para a gestão do Sistema", afirmou Rogério Carvalho.

Para ele, a falta de regularidade na oferta dos serviços de saúde é um dos maiores problemas do SUS. "Ao mesmo tempo, não há outro sistema universal de saúde tão eficiente como o nosso. Se pegarmos 500 dólares e verificarmos o que o Brasil entrega com esse recurso em comparação com outros países, vamos ver que fazemos muito mais. O Canadá, por exemplo, não oferta atenção à saúde bucal e em vários outros países - inclusive os europeus - os serviços exigem co-pagamento por parte do cidadão", frisou o secretário do MS.

A partir da Constituição de 1988, o movimento municipalista ganhou força no Brasil e, ao longo dos anos, a gestão municipal foi consolidada como operadora sistêmica da saúde pública. Somando Municípios, Estados e governo federal, o Brasil tem, atualmente, cerca de 5.600 operadores sistêmicos da saúde.
"O que precisamos é organizar e dar mais transparência aos papéis de cada um. Os Estados precisam evoluir em seu papel gestor, assim como o Ministério da Saúde, que cumpriu durante muitos anos o papel de agente de desenvolvimento e conformação de redes assistenciais, além de financiador do sistema, mas que agora precisa se reinventar", ponderou Rogério.

O caminho para isso, segundo ele, deve ser a atualização e modernização das ferramentas de gestão que garantem os princípios constitucionais da universalidade, integralidade e descentralização do SUS. "Precisamos caracterizar melhor o universo populacional que devemos atender, definir que oferta vai compor esse atendimento para embasar o planejamento de ações. Só conseguiremos que o atendimento no SUS seja, de fato, integral, quando alinharmos as responsabilidades sanitárias de cada ente, definindo e deixam claro para a população o que é necessário produzir, quem deve produzir, em que quantidade e a que custo", explicou Carvalho.

Segundo o secretário, a partir daí o esforço deve se dar no sentido de fortalecer a complementariedade de ações entre municípios, estados e governo federal, com um rateio de recursos que possibilite o cofinanciamento da operação sistêmica de cada ente ou região de saúde.