Servidores da educação fazem manifestação e negociam reajuste com o governo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 07/08/2015 às 00:20:00

Da Agência Brasil

Com uma agenda de dois dias de manifestação na Esplanada dos Ministérios, servidores públicos federais da área de educação fizeram ontem (6) mais um ato em frente ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, reivindicando reajuste nos salários e nos benefícios da categoria.
Representantes da Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnico-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil  (Fasubra) se reuniram durante uma hora com o secretário de Relações de Trabalho no Serviço Público, Sérgio Mendonça, e chegaram a bloquear a entrada dos funcionários no prédio do ministério, onde se manifestavam desde a madrugada.
"Nossa intenção, ao radicalizar o movimento, foi a de conseguir unir o Ministério do Planejamento e o Ministério da Educação (MEC) para discutirmos, todos juntos, pontos econômicos da pauta da categoria", disse o coordenador geral da Fasubra, Rogério Marzola.
Ainda que considere a promessa de discussão conjunta entre os órgãos e os movimentos sindicais uma vitória, Rogério afirmou que isso "não é uma solução" e que pontos centrais da pauta reivindicatória ainda não foram contempladas, como o reajuste de 27% no salário dos servidores. O governo havia proposto reajuste de 21,3%.
Por meio da assessoria de imprensa, o Ministério do Planejamento confirmou a presença da Secretaria de Relações de Trabalho do Ministério do Planejamento na reunião com o MEC, hoje às 11:00h, mas afirmou que ainda não há "definição nas demais exigências" dos servidores e também que as negociações continuam.
Diversas entidades participaram da manifestação de ontem, reunindo cerca de duas mil pessoas, de acordo com a Polícia Militar. Integrantes da União Nacional dos Estudantes (UNE) também manifestaram apoio à greve dos funcionários das universidades federais do país.
Três faixas da pista que corre ao longo da Esplanada dos Ministérios foram fechadas por policiais do Batalhão de Trânsito da Polícia Militar.