Em programa do PT, Dilma diz que sabe suportar pressões e injustiças

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 07/08/2015 às 00:20:00

Paulo Victor Chagas
Agência Brasil

Em seu programa que foi ao ar na noite de ontem (6), em rede nacional de televisão e rádio, o Partido dos Trabalhadores (PT) afirmou que uma crise política pode trazer "sofrimento" e efeitos "bem piores" do que uma crise econômica.
No programa, a presidenta Dilma Rousseff disse que o Brasil passa por um ano de travessia, mas que voltará a crescer "com todo potencial". "Sei que muita coisa pode melhorar. Sei que tem muita coisa para ser feita, que tem muito brasileiro sofrendo. Mas juntos vamos sair desta. Estou do lado de vocês. Este é o meu caminho. Por ele seguirei", diz Dilma.
A presidenta relembrou que a população passou a exigir mais direitos e que diante desse cenário nenhum governante pode se acomodar. "Quem pensa que nos falta energia e ideias para vencer os problemas, está enganado. Sei suportar pressões e até injustiças", afirmou.

Por sua vez, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que também participou do programa, reconheceu que o país enfrenta fase difícil, mas que a atual situação ainda é melhor do que no passado. "Nosso pior momento ainda é melhor para o trabalhador que o melhor momento dos governos passados. Nosso maior ajuste ainda é menor do que os ajustes que eles fizeram. É mais fácil chegar a um porto seguro com quem já foi capaz de enfrentar a crise e fazer o Brasil avançar na tormenta, sempre protegendo os que mais precisam", diz Lula.
O programa teve como apresentador o ator José de Abreu que afirmou: "Nos últimos tempos, começaram a dar uma nova utilidade às panelas. A gente não tem nada contra isso. Só queremos lembrar que fomos o partido que mais encheu a panela dos brasileiros. Se tem gente que se encheu de nós, paciência. Estamos dispostos a ouvir, corrigir, melhorar. Mas com as panelas vamos continuar fazendo o que a gente mais sabe: enchê-las de comida e de esperança. Esse é o panelaço que gostamos de fazer pelo Brasil".