Café tipo exportação

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O Café Pequeno ecoa de Sergipe
O Café Pequeno ecoa de Sergipe

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 07/08/2015 às 00:27:00

* Antonio Passos

Café tipo exportação! Esse é o nosso Café Pequeno. Vamos pensar em termos de mercado, um mercado do arrebatamento. A maior parte da música circulante está ligada a territorialidades sociais e essas, por sua vez, organizadas no mapa. Então, sempre que alguém perguntar, pelo mundo afora: de onde vem essa música? Estará interessado em saber de qual pedacinho da terra ecoou aquele som.

O Café Pequeno ecoa de Sergipe. Embora cada música nasça em um ponto do planeta, ao ecoar, ela passa automaticamente a formar comunidades com outros laços, com as afeições da sensibilidade. Quantas pessoas de diferentes lugares ouvem e gostam de um mesmo artista? Por isso falei em mercado do arrebatamento, porque é assim, despertando o gostar das pessoas, que a arte mostra o quanto fulgura.
Claro que há gostares e gostares. É por isso que tanto as canções de Chico Buarque, Caetano Veloso e Gilberto Gil quanto às de Victor e Leo, Pablo e Luan Santana, arrastam multidões - guardadas as devidas proporções. Pode se falar tudo da música feita no Brasil, menos que não seja bastante diversificada. O meu particular gostar não é total, em relação aos dois grupos acima, o meu gostar é do primeiro.
De modo que, não depende do tipo de música que se faz o soar divino da música. Seja ela qual for, para arrebatar ouvidos, mentes e corações, a música deve conter um mistério que é o encanto. Quanto mais o mistério na música fulgura maior é o alcance dela, por isso, digo que o Café Pequeno é tipo exportação! Para o meu paladar auditivo, a música deles envolverá sensibilidades muito além de Sergipe.
Na noite da quarta-feira (05/08) o Café Pequeno lotou o auditório do Museu da Gente Sergipana e encantou o público. Pairou aquela gostosa sensação de estarmos assistindo músicos que moram na nossa cidade, que nós todos conhecemos bem de perto ou de mais ou menos perto e que estavam ali, num clima de som entre amigos, realizando um show que pode acontecer em Aracaju ou em Montreux.

*Jornalista