ZÉ DIRCEU, A CARA DA NOSSA POLÍTICA

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 08/08/2015 às 18:04:00

Quando militante de esquerda e líder estudantil, Zé Dirceu alimentava o sonho ou a generosa utopia de mudar para melhor o mundo. Acreditava na Revolução que construiria uma sociedade justa. As instituições que se formassem nessa nova estrutura social se moveriam como instrumentos do poder popular, e nelas, a corrupção seria crime intolerável, degenerescência burguesa inconcebível num processo revolucionário. Talvez Zé Dirceu tenha subido a rampa do Planalto levando com ele alguns vestígios daquelas convicções da juventude. Por isso, imaginava-se, ele, e os companheiros, como portadores de algo que os diferenciaria das tão estigmatizadas elites brasileiras.
Para Zé Dirceu, contudo, o poder foi a plástica que o transformou, mudando-lhe a feição talvez idealista. Ocorreu a metamorfose que o fez a própria cara da política brasileira. Com o agravante de ter exagerado demais na ousada cirurgia.