A EXPEDIÇÃO SERIGY ACHANDO ESPERANÇA

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 31/08/2015 às 13:51:00

A Expedição Serigy foi ideia do professor Jorge Carvalho, do médico Antônio Samarone, do professor Luciano Correia, do ambientalista Tonho Leite, da empresária Acácia, do técnico agrícola João Brasileiro, e tantos outros aderiram. Começaram as caminhadas em busca de nascentes, do curso de rios, das grimpas e fraldas de serras, de biomas ameaçados. A trilha tornou-se um exercício peripatético, como ensinou Aristóteles, de aprender, ensinar, experimentar, ver, observar, descobrir, sempre em movimento, dando asas ao pensamento e rigidez ao corpo. Semana passada, saiu-se em busca das nascentes e do curso revoluteante do rio Jacarecica, que vai driblando serras à cata de planícies. Há trilheiros de diversas idades e ocupações. Há um geólogo que é também chef, o francês brasileiríssimo Jean. Semana passada, iniciou-se no grupo o engenheiro Luiz Eduardo Magalhães. Aos 76, arrebatou o decanato de um homônimo.
O café da manhã, onde constavam soberbos manauês, foi na casa rodeada de florestas de Salomão Floresta, conservacionista que faz jus ao nome.
Muito se caminhou e se fizeram paradas. No perímetro irrigado Jacarecica constatou-se o surgimento de uma produtiva comunidade de pequenos agricultores, agora, gente de classe média. Depois, na visita ao Lar Cidade de Deus, que abriga com dignidade e carinho 74 velhinhos, a outra constatação do trabalho solidário da comunidade católica de Itabaiana, da rede de proteção à obra social, criada entre o empresariado do município. Os irmãos Peixoto, empresários da área de supermercados e shoppings, suprem as dispensas e frigoríficos do Lar com os alimentos necessários.
Encontrar sinais da solidariedade humana é um dos objetivos da Expedição Serigy, formada por gente que também busca preservar as nascentes da esperança.