Árbitro reafirma ofensas de David Braz, mas admite que não viu autor de pênalti

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Confuso, o árbitro Flavio Rodrigues Guerra, nega que não viu o atleta, que cometeu a penalidade máxima
Confuso, o árbitro Flavio Rodrigues Guerra, nega que não viu o atleta, que cometeu a penalidade máxima

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 22/09/2015 às 00:15:00

São Paulo, SP - O clás-sico do último do-mingo entre Corinthians e Santos, segue repercutindo mais de 24 horas após seu encerramento. Não pela vitória por 2 a 0 do líder do Brasileirão em casa, no Itaquerão, mas pelo lance que resultou no primeiro gol. Vagner Love sofreu pênalti de Zeca e a infração foi acusada pelo assistente Rogério Pablos Zanardo. O árbitro Flavio Rodrigues Guerra, então, assinalou a penalidade, mas expulsou David Braz. Na súmula, relatou ofensas do zagueiro santista e nesta segunda-feira, confirmou.
- A situação era para vermelho. Claro, a gente conversa numa boa com os jogadores, mas nem sempre o que é mostrado na tevê é o que o jogador fala. Às vezes eles chegam sem gesticular e ofendem sua moral e sua honra. Então, nem sempre a imagem aparenta o que foi falado. Ele ofendeu a mim. Quando falei que o assistente me alertou (sobre o pênalti), ele foi ofendeu o assistente também, explicou em entrevista.

A expulsão revoltou a torcida santista e David Braz, que saiu de campo reclamando muito e negando ter ofendido o árbitro. Nenhuma das imagens da tevê, de fato, mostra o zagueiro abordando de forma acintosa o árbitro, que, por sua vez, garantiu que a ofensa aconteceu logo após a marcação do pênalti. "No momento que aconteceu o pênalti, ele veio e me ofendeu moralmente".
Apesar de defender o critério usado na expulsão de David Braz, Flavio Rodrigues Guerra admitiu ter cometido um erro no lance do pênalti. O árbitro confessou que ele e seu assistente, não conseguiram identificar quem havia cometido a infração e, por isso, não expulsou Zeca. Se tivesse visto o lance, teria mostrado o vermelho para ambos.

"Era um jogo difícil, clássico, mas realizamos um bom trabalho. Tivemos o lance da penalidade, o assistente me informou, aguardamos um pouco porque o atacante tenta concluir. Depois, não conseguimos identificar o atleta. Por isso, expulsamos apenas um jogador, que veio reclamar acintosamente comigo e o auxiliar depois da marcação. Se tivesse visto, teríamos duas expulsões, a do Zeca pelo pênalti, e a do David pela reclamação. Então, o erro foi não ter expulsado o Zeca", comentou
Flavio, aliás, foi categórico ao criticar Zeca. O árbitro negou que tenha sido informado pelo lateral, de que ele havia sido o infrator, como o jogador santista chegou a alegar em entrevistas após o apito final, e condenou o comportamento dos atletas brasileiros com a arbitragem.

"Ninguém ajuda a arbitragem, é tudo contra. Se o jogador tivesse a humildade de reconhecer, eu na hora expulsaria o jogador correto, não haveria tanta reclamação. Ele disse que me alertou que foi ele. Como ele fala isso? Se ele tivesse falado, não haveria nenhuma polêmica hoje, porque o lance foi muito claro. Em momento algum me disse nada, sequer chegou perto de mim. É mais fácil transferir (a responsabilidade) para a arbitragem", argumentou.