Duas nações no mesmo lugar

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Beleza à flor da pele
Beleza à flor da pele

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 14/10/2015 às 22:31:00

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br

No imaginário coletivo, o capitalismo Made in China demoliu as feições de um pedaço super povoado do mundo, sufocando a tradição milenar cultivada por gerações inteiras em campos de arroz infinitos. É no espaço bem delimitado do choque entre as duas realidades mencionadas, entretanto, que a diretora Xiaoling Zhu ambienta o seu primeiro filme de longa metragem. Um painel histórico dos mais ambiciosos e pungentes.
Duas nações no mesmo lugar. 'A menina dos campos de arroz' (2015) enquadra um todo complexo, repleto de implicações de ordem econômica e os desdobramentos presumíveis no tecido social e aspirações individuais dos chineses.

Aos 12 anos de idade, A Qiu mora em uma pequena cidade no sul da China, cercada por campos de arroz. Ela é criada pela avó, enquanto os pais tentam ganhar a vida na cidade grande. Mas com a morte da avó, os dois são obrigados a retornar à cidadezinha, mudando a vida de A Qiu. Enquanto se adapta à nova rotina, a garota sonha em se tornar escritora.

Para o jornalista Luiz Zanin Orichio, de O Estado de S Paulo, o confronto que serve de pano de fundo para a narrativa resulta em uma realização de extrema sensibilidade. "Há o tom melancólico de um mundo em processo de desaparecimento, mas, ao mesmo tempo, esse mundo é mostrado em toda a sua placidez e deslumbramento visual. Lembra, de alguma forma, o belo 'O cheiro do papaia verde', do vietnamita Tran Anh Hung, em que a beleza parece tão perceptível que provoca uma sensação epidérmica no expectador".