Nordeste discute voos regionais

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/08/2012 às 14:55:00

Os secretários de turismo do Nordeste estiveram reunidos, em Recife, para discutirem o melhoramento da cobertura da malha aérea entre os estados nordestinos, o que é hoje, um dos maiores gargalhos enfrentados pelo turismo na região. A Fundação Comissão de Turismo Integrado do Nordeste (CTI-NE) e a Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) promoveram este encontro onde o secretário-adjunto do Turismo de Sergipe, José Roberto de Lima e o presidente da Empresa Sergipana de Turismo, Paulo Henrique Sobral, também estiveram presentes, além de representantes de cada um dos nove estados nordestinos.

Na pauta do encontro temas como a malha aérea precária, tarifas aeroportuárias, qualificação da mão-de-obra local, estratégias para promoção dos destinos nordestinos e incentivos fiscais, por exemplo. A questão da malha aérea deficiente encabeça as discussões e, para combater questões como a falta de infraestrutura dos aeroportos, os poucos horários de voos entre as cidades nordestinas, preços elevados das passagens e muitos voos com escalas e conexões, a CTI-NE e a Sudene estão elaborando um projeto para ser apresentado às companhias aéreas que operam no Nordeste, como a Azul e Trip, que anunciaram recentemente a fusão de suas operações.

O documento vai propor ações como a redução do ICMS para combustível que, na Bahia, já é uma realidade. Para a presidente da CTI-NE e também secretária de Turismo de Alagoas, Danielle Novis, a questão do acesso é primordial. "Não fazemos turismo sem ter acesso, seja ele terrestre ou aéreo. A CTI-NE e a Sudene entendem que esse momento é um marco por conta desse encontro de interesses entre as duas instituições que vão em busca de soluções como incentivos aeroportuários e desoneração tributária para as empresas aéreas", reforça.

Segundo o secretário-adjunto, José Roberto de Lima, o turismo do Nordeste só tem a crescer caso estes incentivos sejam concedidos. "Ampliar a malha aérea só vai fazer com que o turismo dentro da própria região cresça o que significa um aumento também no fluxo turístico dos estados. Para Sergipe, estes incentivos são fundamentais porque nossos principais polos emissores de turistas estão no Nordeste, a exemplo da Bahia e Pernambuco", frisou, informando que no dia 10 de agosto, haverá outro encontro, dessa vez, com a participação das companhias aéreas.

Incentivos - A assessoria da presidente Dilma Rousseff informou que pretende lançar, em breve, um pacote de incentivos para aquecer a aviação regional, segundo informações, a presidente não está satisfeita com o fato de que o mercado aéreo nacional está concentrado praticamente na mão de duas empresas.

Antigamente, 15 empresas de porte médio atendiam 200 cidades brasileiras. Agora, são apenas quatro que atingem aproximadamente 130 cidades. Dilma Rousseff tem revelado a interlocutores que pretende incentivar e ampliar o mercado regional, para que as empresas possam superar as adversidades.