Clóvis Barbosa será o presidente do TCE no biênio 2016/17

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Susana Azevedo, Clóvis Barbosa e Luiz Ribeiro após a eleição da nova mesa diretora do TCE
Susana Azevedo, Clóvis Barbosa e Luiz Ribeiro após a eleição da nova mesa diretora do TCE

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 20/11/2015 às 00:10:00

Em sessão ordinária do Pleno ocorrida ontem, 19, o colegiado do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe (TCE/SE) elegeu, por unanimidade, sua nova Mesa Diretora. No biênio 2016/17, a Corte de Contas terá como presidente o conselheiro Clóvis Barbosa de Melo, enquanto a conselheira Susana Azevedo e o conselheiro Luiz Augusto Ribeiro ocuparão os cargos de vice-presidente e corregedor-geral, respectivamente.
A votação seguiu os critérios de antiguidade e rodízio, conforme tradicionalmente ocorre no TCE. De acordo com o Regimento Interno do órgão, a posse da nova Mesa Diretora deverá ocorrer até o próximo dia 16 de dezembro, enquanto o exercício terá início no dia 01 de janeiro.

"Vamos trabalhar para que o Tribunal de Contas seja realmente um instrumento da sociedade nessas questões relacionadas ao controle externo dos órgãos públicos, que haja uma atuação eficiente, evitando-se fraudes nas licitações e aproximando o órgão da sociedade, para que todos compreendam o importante papel do Tribunal de Contas", ressaltou Clóvis Barbosa em entrevista logo após a sessão.
Por indicação do presidente eleito, também ficou definido no Pleno que o conselheiro Carlos Pinna será o próximo ouvidor-geral do TCE, enquanto o conselheiro Carlos Alberto Sobral irá dirigir a Escola de Contas Conselheiro José Amado Nascimento (Ecojan).

Para a conselheira Susana Azevedo, vice-presidente eleita, um dos focos de atuação deverá ser a celeridade nos julgamentos: "Para mim é uma honra poder ocupar a vice-presidência desta Casa; vamos trabalhar para que a sociedade reconheça a atuação do Tribunal de Contas, imprimindo celeridade nos julgamentos de modo que os gestores tenham suas contas julgadas no exercício do mandato", observou.
Já o conselheiro Luiz Augusto disse que não medirá esforços para que a próxima gestão obtenha êxito em suas ações. "Darei o máximo de mim para desempenhar as atividades com maior desenvoltura, celeridade; para que o Tribunal possa exercer da melhor forma as suas funções, como espera toda a sociedade", concluiu o corregedor eleito.