FINALMENTE DEPOIS DE DEZESSEIS ANOS

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 21/11/2015 às 15:47:00

Foi dada a ordem de serviço para o inicio da construção do ¨bunker ¨. É assim mesmo que se chama o local protegido por paredes de aço, alvenaria e chumbo, onde ficará acomodado o Acelerador Linear 3 D. É este o nome técnico do aparelho de radioterapia, equipamento essencial para o tratamento dessa praga do nosso tempo, que se chama câncer. Bunker é o nome em alemão que nos faz lembrar de guerras e de um dos seus mais nefastos mentores: Hitler. Foi num ¨bunker , ou seja, num subterrâneo fortificado, onde ele passou os seus últimos dias, da sua pestilenta vida. Já o ¨ bunker¨ de que tratamos é uma fortificação benfazeja, serve para proteger, da radiação nuclear, os técnicos e as pessoas submetidas ao tratamento. É mais um caso da energia atômica colocada a serviço da vida. E, disso, ressalta a constatação óbvia de que não podemos renunciar ao uso pacífico do átomo, inclusive hoje, até mesmo em beneficio do meio ambiente, refazendo a visão sobre centrais atômicas geradoras de energia. Mas essa já é outra historia, a requerer mais espaço e sobretudo muito mais argumentos.
Mas enfim, Sergipe começou, pelas mãos do ministro da saúde Marcelo Castro a instalar o Acelerador Linear, pelo qual se luta há tanto tempo. Há precisamente dezesseis anos. Uma luta que envolveu Déda, agora Jackson Barreto, integrantes da bancada federal e, finalmente, conduzida com a habilidade para articular e ter resultados do Secretário da Saúde Zezinho Sobral. Para a vinda do ministro houve a insistente interferência do deputado federal Fábio Reis.
Só a instalação do ¨bunker¨ custará dois milhões e meio. Já o Acelerador é bem mais caro, custa entre dez e doze milhões de reais.
Falando sobre ¨bunker¨ radioterapia e câncer surge a pergunta: E o hospital do câncer, por onde anda?
A informação é que as obras começam no inicio do ano próximo. Se ainda não estão em execução, informa-se, também, que o problema foi gerado pelo Tribunal de Contas da União, que enxergou irregularidades no processo licitatório. Como sempre a burocracia que permeia todos os setores da máquina estatal brasileira costuma identificar irregularidades, impedir o inicio ou suspender a execução de obras, e nisso leva uma enormidade de tempo. Enquanto isso cresce a cada dia a estatística alarmante das mortes pelo câncer. A denuncia sobre essa burocracia burra é sempre verbalizada pelo empresário e filantropo Luciano Barreto, que, alias, acaba de ser agraciado com uma medalha do Congresso Nacional.
Mas os ministros do TCU estão absolutamente tranquilos, certos de que cumpriram o seu dever.