O PSDB APAGA AS LUZES

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 21/11/2015 às 15:48:00

Em Sergipe o PSDB está agora de luzes apagadas. E essa não é uma afirmação assim, meio metafórica. É algo real, literalmente constatável. A sede do partido na rua Duque de Caxias está na escuridão. As luzes, por falta de pagamento apagaram, com a energia cortada pela ENERGISA. Não há água nas torneiras depois do corte efetuado pela DESO, também credora da social-democracia inadimplente. Os funcionários, são poucos. A social democracia nossa defende o Estado Mínimo, e não seria contraditória a ponto de, no seu partido, abrigar um numeroso aparato burocrático, mas, deploravelmente ,os esqueceu, e não paga seus salários há alguns meses.
Uma nota que poderia chamar-se de pé de página: Durante toda a sua existência em Sergipe o PSDB nunca passou por constrangimentos assim. Era tocado por Albano Franco, Acival Gomes, Nazaré Carvalho, Mirian Ribeiro, Roberto Góis, mais recentemente, chegou Jose Carlos Machado, todos, pessoas responsáveis, que se preocupavam com a imagem do partido, que jamais, se dependesse deles, seria transformado numa sigla identificada como caloteira, ou de caloteiros.
É bem lembrado que, agora, o controle do PSDB sergipano está nas mãos do homem de negócios e político Edivan Amorim. O PSDB é mais um dos que ele comanda, que já seriam mais de dez.
O senador Amorim, irmão do homem de negócios, foi o fiador junto à cúpula tucana, da transação que resultou na troca de comando do partido em Sergipe. O senador prometeu, inclusive, que se transferiria para o ninho tucano, trocando a mesquinhez do PSC, marcado pelo atraso e pela intolerância, e indo para uma espécie de ¨aggiornamento¨, no clima da social - democracia.
Mas, para esse ¨aggiornamento¨, que significa abertura, renovação, luzes do conhecimento e da tolerância, nem com a luz elétrica ele irá contar. Ou seja, o senador continua no escuro.