Orsse realiza hoje concerto com repertório de metais e percussão

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A orquestra fará nova apresentação hoje à noite no Atheneu
A orquestra fará nova apresentação hoje à noite no Atheneu

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 02/12/2015 às 14:38:00

A Orquestra Sinfônica de Sergipe irá apresentar um concerto que, segundo eles, será capaz de abrir as perspectivas ao 'novo'. Em parceria com o Grupo de Percussão do Conservatório de Música de Sergipe, sob o comando do Prof. Hélvio Mendes, a orquestra apresentará um repertório inteiramente baseado em composições da nossa era, com destaque para obras para percussão nas mais variadas formações e peças

orquestradas para grupo de instrumentos de sopros de metais.
O concerto será no Teatro Atheneu, no próximo dia 02 de dezembro, quarta-feira, às 20h30, sob a regência de Guilherme Mannis. A Orsse é uma realização da Secretaria de Estado da Cultura e os ingressos já estão disponíveis nas bilheterias do Teatro Atheneu, a preços populares.

Os grupos de percussão têm, nas últimas décadas, mudado os paradigmas sonoros e artísticos das salas de concertos. Longe de serem instrumentistas restritos, os percussionistas são alguns dos mais completos profissionais da música, pois têm de dominar desde os instrumentos tradicionais - tímpanos, pratos, bumbos, até a percussão popular, propostos experimentalmente por compositores ávidos por pioneirismo.

Um dos exemplos, que serão apresentados neste concerto, é a estranha obra Vous avez du feu? (Você tem fogo?). A peça, do compositor francês Emanuel Sejourné, abordará um quarteto para isqueiros e intrigará o público, pois é executada em um palco absolutamente escuro. Segundo o maestro Guilherme Mannis, novas experiências como estas são importantes à plateia: "É sempre válido estar em contato com o que se faz de mais moderno no mundo musical. Tais experiências abrem a nossa cabeça e fazem-nos dialogar com a contemporaneidade artística, afastando-nos do paradigma da orquestra sinfônica como ´museo da música'. Inovar faz bem".

Em um segundo momento da apresentação, a ênfase nos instrumentos de sopro – metais dará a tônica do concerto. Com a interpretação de um repertório já bem mais tradicional a nossos ouvidos, esta performance privilegiará a beleza das melodias do jazzista americano George Gershwin, com sua conhecida peça 'Um americano em Paris', além de melodias de Scott Joplin e do tradicional 'Tico-tico no fubá', do brasileiro Zequinha de Abreu.

Sobre o regente, Guilherme Mannis é Diretor Artístico e Regente Titular da Orquestra Sinfônica de Sergipe desde 2006, onde tem dividido o palco com artistas como Maria João Pires, Michel Legrand, Nelson Freire, Jean Louis Steuerman, André Mehmari, Emmanuele Baldini, Rosana Lamosa, Wagner Tiso, Amaral Vieira, Eduardo Monteiro, entre outros. Como regente convidado tem dirigido importantes grupos no Brasil e exterior, tais como a Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Amazonas Filarmônica, Petrobras Sinfônica, Sinfônica do Paraná, Sinfônica de Roma, Sinfônica de Bari, Sinfonia Toronto, World YouthOrchestra, Sinfônica de Rosário (Argentina), Filarmônica do Espírito Santo, Sinfônica do Teatro Nacional de Brasília, Experimental de Repertório, Sinfônica da Bahia, Sinfônica Heliópolis, Sinfônica de Ribeirão Preto, Sinfônica de Monterrey, Sinfônica de Guanajuato, entre outras. Doutorando em música, foi aluno destacado dos maestros Isaac Karabtchevsky e John Neschling.

Sobre o diretor do Grupo de Percussão do CMS, Prof. Hélvio Mendes émestre em Performance Musical/Percussão pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), sob a orientação do professor Dr. Fernando Hashimoto. Iniciou seus estudos em percussão no Conservatório Carlos Gomes com o professor Ricardo Aquino e cursou o Bacharelado em Música – Habilitação em Percussão, pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp), tendo como professores: Dr. John Boudler, Dr. Carlos Stasi e Dr. Eduardo Gianesella. Integrou o Grupo Piap. De 2011 até 2014 foi professor de percussão do Projeto “A Música Venceu” da Fundação Bachiana de Música e em 2014 lecionou como professor substituto de percussão na EMESP (Escola de Música do Estado de São Paulo). Em 2015 assumiu a cadeira de professor de percussão do Conservatório de Música do Estado de Sergipe.

Sobre o Grupo de Percussão do Conservatório de Música de Sergipe, foi fundado pelo ex-professor do Conservatório Wallace Patriarca. Após um longo período inativo, o grupo retornou as atividades sob a direção do prof. Helvio Mendes em agosto de 2015 e, em outubro do mesmo ano, realizou o primeiro concerto com a nova formação no I PercusSE - Encontro de Percussão de Sergipe.
Parte importante para a formação do percussionista, o objetivo do grupo é dar aos alunos de percussão do Conservatório de Música de Sergipe o desenvolvimento técnico e artístico, além de ser um veículo de divulgação do repertório para esta formação. Outra proposta é dar aos alunos a oportunidade e liberdade de expressão artística, expondo suas criatividades através da percussão por meio de composições, arranjos ou criações coletivas.