Márcio Macedo levará a Brasília reivindicações de grevistas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O deputado federal Márcio Macedo
O deputado federal Márcio Macedo

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 04/08/2012 às 03:17:00

O deputado federal Márcio Macêdo (PT) participou ontem, em Aracaju, de um ato dos servidores federais da Saúde, que estão em greve há 45 dias. Eles pleiteiam reposição das perdas salariais, incorporação de gratificações, reestruturação da carreira da Previdência, Saúde e Trabalho - PST - e o estabelecimento de uma data-base. O parlamentar sergipano se colocou à disposição da categoria e afirmou que irá atuar para ajudar a reabrir o diálogo com o Governo Federal.

"Solidarizo-me ao movimento, ao direito sagrado e constitucional do trabalhador fazer greve. Acho justa a reivindicação da categoria e coloco o meu mandato à disposição para tentar resolver o impasse. Já recebi a proposta, li com atenção e irei atuar em Brasília para que os servidores e o Governo cheguem a um consenso", afirmou Márcio Macêdo, durante ato que ocorreu na sede do Ministério da Saúde em Sergipe, na Rua Lagarto, no Centro de Aracaju.

Reunião - Ele solicitará uma reunião com o presidente do PT, o deputado federal Ruy Falcão, e duas audiências - uma com o ministro Gilberto Carvalho (secretário-geral da República) e outra com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. "Precisamos refletir a saúde, compreender a crise pela qual o setor passa no mundo inteiro e não só no Brasil. É preciso pensar em um novo conceito e em um novo paradigma, com a devida valorização dos profissionais da área", afirmou.

O parlamentar ressaltou que, nos últimos dez anos, houve melhorias significativas na relação entre o Governo e os servidores, nas duas gestões do ex-presidente Lula e na gestão atual da presidente Dilma Rousseff, mas reconheceu que ainda é preciso avançar. "Não sou de enganação. Sou verdadeiro. Não vou fazer um discurso radical e depois ir embora e as palavras ficarem ao vento. Vou tentar buscar os meios possíveis para reabrir o diálogo, mas não posso dizer que tudo será resolvido imediatamente", ressaltou.