MPF quer adequações nos bares construídos na orla de Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 19/02/2016 às 22:30:00

Menos de 24 horas após o Ministério Público Federal (MPF) ter suspendido de forma parcial o processo que previa a demolição dos bares que foram construídos na Rodovia José Sarney em locais e com estruturas irregulares, muitos proprietários estão buscando entender como é composta a ideia da arquiteta Ana Libório a fim de reformular estes espaços e evitar a demolição. Conforme fora destacado pelo MPF, todos os 49 pontos comerciais incluídos no processo apresentavam algum tipo de problema ambiental, infiltração, fossas irregulares, problemas de abastecimento de água, ou ausência de esgotamento sanitário. 16 empreendimentos instalados na Orlinha de Atalaia também compõem o dossiê.
Surpreso com a decisão, Marcos Eron Gonçalves, herdeiro de um dos bares, afirmou que pretende procurar o MPF e a arquiteta autora do novo projeto com o propósito de buscar alterar o que for preciso e respeitar as demandas do órgão de fiscalização. Ao Jornal do Dia ele destacou que torcia para que a justiça deferisse a favor dos empresários, mesmo que apresentasse mudanças imediatas para conceder o alvará de licença e funcionamento. Com a medida aplicada, todos devem seguir as orientações que serão atribuídas, caso a medida não seja adotada dentro de um prazo a ser estabelecido, a demolição será realizada em parceria com a Prefeitura de Aracaju e Governo do Estado.
"Não sei quais seriam todas as mudanças, mas confesso que na quinta-feira de tarde eu já liguei pra uns engenheiros colegas da família para que fiquem de prontidão. Assim que o MPF me notificar informando as alterações que devo fazer, logo volto a chamar a equipe de engenharia para reparar tudo. Estamos felizes e agora não podemos deixar de lado as obrigações. Ao menos a minha família irá cumprir com todos os itens para garantirmos o nosso bar de pé e funcionando", comemorou. Apesar da empolgação apresentada por alguns proprietários, o MPF enaltece que a audiência realizada essa semana trata-se apenas de uma ação preliminar e que todos os termos da proposta ainda não foram concretizados.