É preciso fechar o ralo da corrupção, diz Almeida

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O candidato do PPS a prefeito de Aracaju, Almeida Lima
O candidato do PPS a prefeito de Aracaju, Almeida Lima

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 07/08/2012 às 03:39:00

Chico Freire
chicofreire@jornaldodiase.com.br

Durante almoço com representantes da Asseop, que tem como presidente o empresário Luciano Barreto, o candidato a prefeito de Aracaju pelo PPS,  Almeida Lima, fez uma explanação do seu programa de governo, enfatizando que temas como o planejamento urbanístico não podem se limitar apenas aos quatro anos de mandato de um  administrador público. "É assunto para 8, 12, 20, ou até 50 anos", afirmou.

Almeida fez críticas à expansão da cidade sem qualquer ordenamento urbanístico,  como ocorreu   com o surgimento do bairro Jardins, "onde existem ruas estreitas, ruas que acabam na frente ou fundo de prédios". "Muito tempo depois de Pirro,  que planejou Aracaju há mais de 155 anos, o que vemos hoje são os últimos administradores fazendo pior do que ele, a exemplo do bairro Jardins", protestou, dizendo que é preciso concertar o que fizeram de errado de forma gradativa.

Transporte - Com relação ao transporte coletivo, Almeida disse  que é preciso melhorar significativamente, defendo a construção de rotatárias e a diminuição de semáforos, que, segundo ele, vão de encontro à mobilidade urbana. Defendeu também  corredores específicos para o sistema de transporte coletivo, com construções de canaletas. "Temos um transporte caótico e sufocante".

Ainda com relação à mobilidade urbana, Almeida disse ser preciso abrir cerca de 20 novas avenidas, retirando o fluxo da avenida Beira Mar, citando como exemplo a construção de um ponte ligando a avenida Tancredo Neves à Coroa do Meio e uma outra  ligando a avenida do Foral da Unit à Coroa do Meio, além de novas avenidas interligando a zona sul. "Isso não se faz com pequenas intervenções, mas com ações concretas", advogou.

Almeida lembrou que administrou o município de Aracaju por pouco mais de dois anos e meio e fez obras estruturantes. Disse que naquele período  o município não recebia emendas do Orçamento Geral da União e nem tinha recursos carimbados para a Saúde. Mesmo assim, pavimentou dezenas de ruas, avenidas e construiu escolas. "Com um pouco de responsabilidade se coloca a Prefeitura de Aracaju nos trilhos, principalmente fechando o ralo da corrupção", disse.

Ministérios - Ele disse também que, ganhando a eleição, implantará uma secretaria em Brasília, para que tenha contato direto com os ministérios, a exemplo da Saúde, Educação e Cidades, diminuído a distância e desburocratizando as ações de interesses de Aracaju.

Sobre a Zona de Expansão, Almeida disse que é preciso a criação de novas vias, a exemplo de uma nova avenida entre a Rodovia José Sarney e a Rodovia dos Náufragos. "Sendo eleito prefeito de Aracaju, puxarei o freio de mão daquela região por cerca de 60 a 90 dias para discutir ações e empreendimentos naquele local", disse, para os empresários da construção civil.