Rogério Carvalho diz que João Alves é "incompetente e ultrapassado"

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O presidente estadual do PT, Rogério Carvalho
O presidente estadual do PT, Rogério Carvalho

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 04/03/2016 às 00:34:00

Cumprindo o que disse em várias entrevistas no final de 2015, de que o ano de 2016 trabalharia intensamente para coordenar o processo de eleições no PT junto às suas forças internas, lideranças políticas do partido e sua militância, o presidente do PT em Sergipe, Rogério Carvalho, tem executado uma agenda em ritmo de campanha.
Reuniu-se com vereadores para discutir eleições 2016; conduziu reunião com a direção executiva do seu partido; visitou lideranças políticas e partidárias em vários municípios; discutiu com assessores a elaboração de agenda de visitas aos diretórios do partido e atendeu à imprensa sobre o caminho do PT nas eleições em Aracaju e demais municípios de Sergipe.
Aos jornalistas, falou sobre a transformação na saúde promovida por Marcelo Déda, em Aracaju e Sergipe, quando foi prefeito e governador, e ele secretário. "Se tirar as clínicas, que funcionam no interior do estado, acaba a atenção primária; se tirar os hospitais regionais, que reformamos e construímos, não tem como atender as pessoas; se tirar o Huse, que foi dobrado de tamanho no período de Déda, gera calamidade; se fechar o Cirurgia, o Santa Isabel, e tirar os serviços que implantamos de nefrologia, de cardiologia avançada, cirurgia endovascular, neurocirurgia, urologia, a UTI neonatal, centro cirúrgico do Santa Isabel, o Samu, os CEUs, farmácias populares, Capes, urgência em saúde mental no São José, os leitos de psiquiatria em hospital de Cirurgia e Universitário e oftalmologia, não sobra nada na saúde de Sergipe".
Sobre a gestão do prefeito João Alves em Aracaju, Rogério destacou que a população cresceu nos últimos 10 anos e que os serviços e equipes de saúde não cresceram na proporção do aumento populacional. "Em 2006, a prefeitura tinha 128 equipes de saúde na família, regionalmente distribuídas. A população cresceu em 100 mil habitantes, desde que saí da secretaria, e não foi implantada uma única equipe de saúde na família. Até os agentes comunitários estão sendo desviados da função para trabalhar como funcionário administrativo".
E criticou a forma do prefeito João Alves administrar Aracaju. "Dizia meu pai: 'pra trabalhador ruim, não há ferramenta que preste'. O prefeito João Alves Filho é um trabalhador muito ruim, e a prefeitura não serve como ferramenta para ele, porque ele é incompetente para administrar nos tempos atuais, ele está ultrapassado, fora de qualquer conceito de administrar uma cidade".