Insatisfação ampla

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O deputado federal Fábio Reis (PMDB) tem mantido a fidelidade ao pedido do governador Jackson Barreto (PMDB) em votar contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Mas neste último final de semana foi muito pressionado por prefeitos, vereadores e fam
O deputado federal Fábio Reis (PMDB) tem mantido a fidelidade ao pedido do governador Jackson Barreto (PMDB) em votar contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Mas neste último final de semana foi muito pressionado por prefeitos, vereadores e fam

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 12/04/2016 às 00:49:00

O deputado federal Fábio Reis (PMDB) tem mantido a fidelidade ao pedido do governador Jackson Barreto (PMDB) em votar contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Mas neste último final de semana foi muito pressionado por prefeitos, vereadores e familiares para repensar o seu posicionamento. Não será surpresa se o parlamentar votar pelo impedimento da presidente.

Insatisfação ampla

Além do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, o assunto mais comentado nas rodas políticas e dos amigos é a decisão do Colégio de Procuradores de Justiça de Sergipe em aprovar o pagamento auxílio-moradia retroativo a 25 de outubro de 2006, beneficiando não só os procuradores como os promotores.

Como também a decisão do pleno do Tribunal de Contas do Estado de que a Corte deve pagar o auxilio moradia retroativo de fevereiro de 2011 a  fevereiro de 2012 aos conselheiros, auditores e procuradores.
Assim como a indignação do povo contra a corrupção no país, a ponto de querer o impeachment da presidente pelas pedaladas fiscais, é grande a insatisfação dos aracajuanos com relação ao pagamento retroativo do auxílio moradia a quem já recebe altos salários.

Nesse momento de crise econômica, política e moral, é realmente lamentável que determinados segmentos da sociedade, que já recebem altos salários, venham a receber auxilio moradia retroativo há anos. Principalmente pelo fato da maioria dos beneficiários morar nas suas próprias residências, cuja maioria fica em condomínios de luxo da 13 de Julho.
Sem falar no fato de que os servidores públicos do estado estão sofrendo o pão que o diabo amassou sem reajuste salarial há quatro anos, recebendo salários parcelados e agora pagos no dia 11 do mês subsequente. Isso em decorrência da crise econômica que assola o país, que levou à queda do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e do Imposto Sobre Circulação de Mercadoria e Serviço (ICMS), levando estados à queda na arrecadação.

O sentimento é que o auxilio moradia, na ordem de R$ 4.377,00, deveria ser pago somente àqueles que realmente trabalham em outra cidade. E que pagar esse dinheiro como auxílio moradia a quem trabalha onde reside com sua família é no mínimo imoral, ainda mais quando esse valor terá que ser pago retroativo há 10 anos, como decidiu o Colégio de Procuradores de Justiça.       
Isso representa, no mínimo, um reembolso em torno de R$ 270 mil para cada procurador e promotor de Justiça. Será mais uma sangria para os cofres públicos nesse momento de recessão que atravessa o país e que sofre o povo brasileiro com inflação alta, desemprego e arrocho salarial, assim como os barnabés do estado e aposentados que só vão receber amanhã suas aposentadorias.
É pertinente a indignação da população ao pagamento retroativo do auxilio moradia a quem recebe altos salários e reside em seus imóveis luxuosos.Questionamento 1
O presidente da OAB, secção Sergipe, Henry Clay, disse ontem que a entidade vai questionar judicialmente o pagamento retroativo do auxilio moradia a membros do ministério Público Estadual e Tribunal de Contas do Estado. Ressalta que no Conselho Federal da OAB, em Brasília, já se questiona a legalidade e constitucionalidade desse pagamento retroativo.

Questionamento 2
Em Sergipe, são 15 procuradores e 127 promotores de Justiça, sete conselheiros do TCE e quatro procuradores, que serão beneficiários do auxilio moradia retroativo por determinação de seus colegiados.   

Jogou a toalha
O prefeito Heleno Silva (PRB-Canindé do São Francisco) não disputará a reeleição e nem lançará um candidato à sua sucessão. Disse que não participará do processo eleitoral deste ano por entender que a reeleição é cara e que não tem como lançar um nome para sua sucessão, por conta da "crise sem precedente".
O motivo
"Em 2013, a arrecadação do município era de R$ 10,5 milhões e hoje está em R$ 6,5 milhões. A folha de pessoal custa R$ 5 milhões e são repassados mensalmente para a Câmara Municipal R$ 500 mil. Sobra R$ 1 milhão. O município era para ter uma receita hoje de R$ 12 milhões a R$ 13 milhões, mas a arrecadação despencou depois que a presidente Dilma Rousseff mexeu no sistema elétrico, provocando a queda do repasse da Hidrelétrica Xingó", afirmou o prefeito, enfatizando que por conta da situação de emergência financeira vai concentrar sua energia nessa reta final na administração da crise.

Sucessão municipal
Até o presente momento Canindé do São Francisco só tem um pré-candidato a prefeito: o ex-prefeito Orlandinho Andrade (PDT). Vários outros nomes foram colocados para enfrentá-lo, mas nenhum vingou até o momento.

Monte Alegre
Aconteceu no último domingo o lançamento da pré-candidatura a prefeita do município de Nena Lino (PRB), filha do ex-prefeito Edmilson, e sua vice Direne Aragão (PMDB), esposa do ex-prefeito Aragão. O lançamento foi prestigiado pelo prefeito Heleno Silva e os deputados estaduais Jairo de Glória (PRB) e Luciano Pimentel (PSB).

Socorro
Em Nossa Senhora do Socorro também teve lançamento da pré-candidatura a prefeito de Klewerton Siqueira (PDT), que é o candidato do prefeito Fábio Henrique (PDT), durante Convenção Municipal do partido no sábado passado. Marcaram presença lideranças no município do PSD, DEM, PSL, PSB, PV, PSDC, PR e PEN.      

Adiou
O prefeito João Alves Filho (DEM) ainda não se afastou da prefeitura de Aracaju para um período de descanso de 15 dias, que estava previsto para iniciar ontem. Nessa segunda-feira despachou normalmente na sede da prefeitura.

Maioria simples
Depois de muita polêmica, os deputados estaduais aprovaram ontem, por 11 x 08, o projeto de Lei do Poder Executivo que promove a reestruturação financeira do Ipesaúde, com a contribuição de beneficiários-dependentes e inclusão de servidores em cargos em comissão como beneficiários.

Contra
Votaram contrários ao projeto polêmico os deputados Antônio dos Santos (PSC), Maria Mendonça (PP), Georgeo Passos (PTC), Dr. Vanderbal (PTC), Capitão Samuel (PSL), Valmir Monteiro (PSC), Gilson Andrade (PTC) e Ana Lúcia (PT), que acompanhou a bancada da oposição.

A favor
O deputado estadual Venâncio Fonseca (PP), ex-líder da oposição, manteve a sua decisão de votar a favor do projeto do Poder Executivo. A única ausência em plenário foi do deputado padre Inaldo (PCdoB), uma vez que os parlamentares Augusto Bezerra (PHS) e Paulinho da Varzinhas (PRP) estão afastados das atividades parlamentares mediante decisão judicial, por conta do processo da subvenção social.

Expectativa
O presidente do Ipesaúde, Christian Oliveira, disse ontem que com a aprovação do projeto o Ipes vai ter um acréscimo de R$ 2,5 milhões na receita. Ressaltou que o Ipesaúde passará a ser cobrado como plano de saúde.

Impeachment 1  
Segundo o presidente do Instituto Data Popular, Renato Meirelles, as classes C e D enxergam a discussão sobre o impeachment da presidenta Dilma Rousseff como uma disputa de poder, uma briga da elite. "As classes C e D são muito menos presentes nas passeatas do que são na população brasileira", avalia.

Impeachment 2
Para Meirelles, essa parte da sociedade está mais interessada em temas concretos como a melhoria do acesso à universidade ou da qualidade do sistema público de saúde. "Se algum dos dois lados quiser de fato ganhar a classe C, que hoje corresponde a 54% do eleitorado brasileiro, vai ter que quebrar um pouco a cabeça para mostrar que o que está em discussão vai além do debate da corrupção", destacou.

Impeachment 3
Ressalta que levantamento do Instituto Data Popular, feito no início do ano, indicou que 71% dos brasileiros acreditam que os opositores à presidenta Dilma agem por interesses próprios. "Além disso, 92% concordam com a afirmação todo político é ladrão", disse Renato Meirelles.

Impeachment 4
As acusações de que um eventual impedimento da presidenta se trata de um golpe não têm, na análise do presidente do Data Popular, impacto significativo sobre essa parcela da sociedade. "A narrativa sobre um eventual golpe é para uma parcela mais intelectualizada da população brasileira, para uma elite jurídica. Quando nós vamos ver na classe C e D que, em geral, é muito mais jovem do que a média da população. Eles não sabem o que foi o golpe militar e o impacto que isso teve no Brasil. Eles não entendem a discussão do golpe", afirmou.

Impeachment 5
A Mesa Diretora da Câmara adotou medidas extras de segurança para o acesso à Casa entre os dias 11 e 21 de abril, para garantir a segurança e proteção das pessoas e do patrimônio físico, histórico e cultural da instituição durante o processo de votação do impeachment da presidente da República. Haverá um credenciamento específico para o trabalho da imprensa entre os dias 15 e 21 de abril, em número limitado devido às questões de segurança e limitação de espaço.

Veja essa...
A poucos dias da votação do impedimento da presidente Dilma no plenário da Câmara o quadro partidário pró e contra impeachment é o seguinte: PT, PDT, PTN, PCdoB, PTdoB, PEN e Psol são contrários ao impeachment; PP orienta bancada a votar contra a saída da presidente do Planalto, mas bancada está dividida; PSB, PTB, DEM, PRB, SD, PSC, PV, PPS e PSL são favoráveis ao impeachment; PMDB liberou a bancada; o PSD está dividido; Pros, PR e Rede liberam deputados para votar, mas líderes marcam posição contrária ao impeachment; e o PHS libera bancada. O PMB defende novas eleições.

Curtas
O líder do PSC, André Moura (SE), participou ontem à tarde da votação do relatório conclusivo da Comissão Especial que avalia o impeachment da presidente Dilma. Orientou pelo voto favorável ao impedimento da presidente seguindo o relator Jovair Arantes (PTB/GO). O relatório foi aprovado por 38 votos a favor e 27 contra.

Em uma reunião barulhenta e conturbada, André disse que o relatório aponta evidências documentais de que a presidente, de forma consciente e recorrente, infringiu a Lei de Responsabilidade Fiscal. "Apenas as chamadas 'pedaladas fiscais' já serve de base jurídica para justificar o afastamento do cargo", argumentou.

O pré-candidato a prefeito de Aracaju, Eduardo Amorim (PSC), continua trabalhando a viabilidade do seu nome para a sucessão municipal. No sábado visitou a feira do Conjunto Bugio.

Durante inserção ontem do PTN na TV o presidente estadual do partido, ex-prefeito Sukita, disse que o partido está instalado em 47 municípios e terá pré-candidatos a prefeito em 21 municípios. Ele deve ser candidato a prefeito em Japaratuba e a sua esposa em Capela.