Estouro da boiada

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O pré-candidato a vereador de Aracaju, Anderson Gois (PRB), tem a simpatia do governador Jackson Barreto (PMDB). Ontem foi a terceira vez que JB foi ao Bairro Industrial, reduto eleitoral de Anderson, e esteve com ele ao seu lado todo o tempo que visitou
O pré-candidato a vereador de Aracaju, Anderson Gois (PRB), tem a simpatia do governador Jackson Barreto (PMDB). Ontem foi a terceira vez que JB foi ao Bairro Industrial, reduto eleitoral de Anderson, e esteve com ele ao seu lado todo o tempo que visitou

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 23/04/2016 às 00:07:00

O pré-candidato a vereador de Aracaju, Anderson Gois (PRB), tem a simpatia do governador Jackson Barreto (PMDB). Ontem foi a terceira vez que JB foi ao Bairro Industrial, reduto eleitoral de Anderson, e esteve com ele ao seu lado todo o tempo que visitou as obras de drenagem e esgotamento no loteamento Santa Tereza, de mobilidade urbana nas avenidas Euclides Figueiredo e Tancredo Campos e a implantação de área de lazer na duplicação da Av. General Euclides Figueiredo.
"Uma intervenção pública no bairro Industrial que muito me honra e me diz que faz sentido continuar lutando por melhorias para a nossa sociedade. Com a sua notória sensibilidade o governador realizou o sonho dos moradores do bairro que nasci e me cresci", disse Anderson Gois, enfatizando que o investimento no seu bairro é de R$ 41.227.856,21.

Estouro da boiada

O processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff está deixando sequelas na base aliada do governador Jackson Barreto (PMDB). Aliados que votaram contra e a favor do impedimento estão se digladiando publicamente, através da imprensa.
O PCdoB do ex-prefeito Edvaldo Nogueira já fez várias declarações criticando a postura do PSB dos Valadares pelo fato de sempre ter sido um aliado do PT e hoje votar pelo impeachment da presidente e, inclusive, vetar o nome da ex-primeira dama Eliane Aquino (PT) como vice pela conjuntura nacional. As criticas partiram do presidente da legenda, Antônio Bittencourt, e do próprio Edvaldo, pré-candidato a prefeito de Aracaju.

As críticas da vereadora Lucimara Passos diretamente a Valadares Filho, na quarta-feira, na tribuna da Câmara azedou de vez a relação política entre PCdoB e PSB. Após criticar o parlamentar por ter votado pelo impedimento da presidente e o acusar de ter traído a esquerda, a vereadora pediu desculpas à população por ter na campanha eleitoral de 2012 ido às ruas pedir votos para Valadares Filho para a prefeitura de Aracaju.
Isso levou o PSB, através do presidente do diretório Municipal, Elber Batalha, ter saído com uma nota lamentando "a postura de desespero que o PCdoB de Aracaju tem adotado nos últimos tempos". Diz a nota que "os comunistas estão deixando até de pensar no que mais interessa e desagrada atualmente o povo de Aracaju, que é a desastrosa administração do prefeito João Alves, preferindo agredir outras pré-candidaturas".
A nota finaliza dizendo que "no mundo moderno, a política de agressões não tem mais lugar e que nesse ritmo, acusando, agredindo e interferindo em outros partidos, o PCdoB de Aracaju caminha a passos largos rumo ao isolamento político, um destino triste e melancólico para uma sigla de bela história e de grandes integrantes".

O PT ideológico da deputada estadual Ana Lúcia também não poupou criticas aos Valadares por serem a favor do impeachment e agora critica o PMDB do governador por ter liderado o processo de impedimento da presidente. A parlamentar, inclusive, já se posiciona contrária à manutenção da aliança do PT com o PMDB em Sergipe.
Se referindo especificamente ao PMDB, Ana Lúcia já declarou a imprensa que o PT não pode ficar com aliados que "traíram" o partido.
Isso implica diretamente na pré-candidatura de Zezinho Sobral (PMDB) a prefeito de Aracaju, tendo com vice a ex-primeira dama Eliane Aquino (PT). Mesmo que essa aliança se concretize, é pouco provável que setores de centro-esquerda votem na chapa.
Esse estouro da boiada é mais um problema para o governador Jackson Barreto resolver, além da falta de recursos para administrar o estado e pagar em dia os salários dos servidores..

Ainda o impeachment 1
Em meio à forte discussão do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o senador Valadares (PSB) saiu com nota em defesa do STF e da democracia. "Quando o debate do impeachment resvala para a irracionalidade e para enfraquecer mais ainda o nosso sistema democrático, saio em defesa das instituições de nosso País, em especial do STF, que está incluído, conforme discurso da presidente Dilma, na consumação do golpe urdido para tirar o seu mandato".

Ainda o impeachment 2
Prossegue o senador: "Esse discurso populista, de vitimologia, tão conhecido e aplicado por políticos acuados sem defesa e sem argumentos para esconder fracassos de comportamento ético e de incapacidade de gestão, pode desta feita colocar o Brasil diante do mundo inteiro na condição de uma republiqueta sem importância, igual a tantas outras espalhadas por aí, que não prezam a democracia".

Ainda o impeachment 3
Ressalta: "Ora, se é verdade que está em curso, como acusam, um movimento das instituições, como o Congresso e o STF, para ferir o direito de uma presidente eleita, para que então existe a Justiça, a Suprema Corte, a única guardiã de nossa Carta Magna, a última cidadela que protege o direito de qualquer cidadão, quanto mais o da chefe de Governo e chefe de Estado do Brasil?"

Por um fio
Informações chegadas à coluna dão conta que um secretário que se acha o "todo poderoso" deve deixar o governo do Estado. Isso porque o governador Jackson Barreto (PMDB) não está mais aguentando o "pouco caso" do cidadão em todos os sentidos.
Encontro
Deve acontecer nesse domingo uma reunião almoço do senador Eduardo Amorim (PSC) com o deputado federal Valadares Filho (PSB), com a participação do presidente estadual do PSC, deputado federal André Moura. No cardápio a sucessão municipal de Aracaju, onde os dois são pré-candidatos a prefeito.  

Chapão 1
O vereador Renilson Felix (DEM) vem defendendo a formação de um "chapão" para as eleições municipais deste ano na coligação do prefeito João Alves Filho (DEM). Com o seu partido esvaziado e apenas dois vereadores, o parlamentar teme não ser reeleito em outubro.

Chapão 2
Renilson tem declarado nos corredores da Câmara que todos os vereadores da base aliada de João Alves desfrutam de cargos na prefeitura e não é justo prejudicar o DEM e vereadores de outros partidos se "salvarem".

Queixa
"Não saí do DEM, fui fiel a Dr. João. Todos os vereadores estão com cargos na prefeitura, que história é essa de chapinhas?", questionou, lamentando ainda que João Alves tenha permitido o esvaziamento do DEM, não venha dando atenção e nem atendendo aos parlamentares do partido nem da bancada. "Dr. João só atende a Vinícius {presidente da Câmara, Vinicius Porto}", lamentou.

Na mesa
Entre aliados do prefeito João Alves cresce o sentimento de que ele pode não disputar a reeleição não só por problemas de saúde, mas, principalmente, não estar bem nas pesquisas e ter uma grande rejeição. Em uma roda política ontem a grande indagação é quem seria o seu candidato? O vice José Carlos Machado (PSDB), a senadora Maria do Carmo (DEM) ou o deputado estadual Robson Viana (PEN)?  

Reforma 1
O relator da reforma tributária, deputado André Moura (PSC-SE), irá apresentar seu parecer aos membros da comissão especial que analisa o tema na próxima terça-feira (26). O texto deve prever teto de 30% para a carga tributária e a previsão de imposto sobre grandes fortunas.
Reforma 2
André Moura já adiantou que outros dois principais pontos do seu parecer são o fim da guerra fiscal e a criação de um imposto único, o Imposto sobre Valor Agregado (IVA). A intenção é que esse imposto seja instituído gradualmente, em um prazo de 8 anos, e substitua o ICMS, o PIS/Cofins, o IPI e o ISS, entre outros. O deputado descartou a possibilidade de incorporar a CPMF no relatório.

Curiosidade
Dos 511 deputados federais que participaram da votação histórica, apenas 34 tiveram votos suficientes para se elegerem sozinhos nas eleições de 2014. Destes, 27 votaram a favor da abertura do processo de impedimento da presidente Dilma Rousseff; os outros sete votaram contra. Os outros 477 votantes não tiveram voto suficiente para conquistar o mandato diretamente. Valeram-se da soma dos votos recebidos pelo partido ou por outros candidatos de suas legendas ou coligações, eleitos ou não. Dos oito federais de Sergipe, Adelson Barreto, hoje no PR, foi o único que se elegeu com os próprios votos (131.236), conforme levantamento do Congresso em Foco.

Veja essa...
Do deputado estadual Capitão Samuel (PSL) sobre o Partido dos Trabalhadores: "Mais de 118 mil vagas de empregos formais desapareceram em março, pior resultado em 25 anos. Com o desemprego atingindo os mais pobres no País inteiro, o PT vai mudar de nome. Será PD Partido dos Desempregados".

Curtas
Na visita que fez ontem às obras do bairro Industrial, o governador Jackson Barreto se recusou a conceder entrevista a imprensa sobre o impeachment da presidente Dilma e as declarações da deputada estadual Ana Lúcia defendendo o rompimento da aliança PT/PMDB e o criticando por não ter conseguido votos contra o seu impedimento.

"Não vou falar sobre impeachment e nem sobre Ana Lúcia. Não insistam nisso", disse Jackson Barreto.

O juiz que conduz a Operação Lava Jato na Justiça Federal, o Sérgio Moro, é o único brasileiro na lista das 100 personalidades mais influentes da atualidade, na avaliação da revista norte-americana. Seu nome aparece na categoria que tem Obama e Angela Merkel.

A PEC 143/2015 já pode ser votada em segundo turno em Plenário nesta terça-feira (26), pois já passou pelo primeiro em votação no último dia 13. A proposta permite aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios aplicar em outras despesas parte dos recursos hoje atrelados a áreas específicas, como saúde, educação, tecnologia e pesquisa.

O texto, do senador Dalirio Beber (PSDB-SC), tem relatório favorável do senador Romero Jucá (PMDB-RR) e desvincula as receitas dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, tal como já acontece por meio do mecanismo da Desvinculação de Receitas da União (DRU)