Saudosa, Maitê Proença dá adeus a Sinhazinha e declara: 'Eu morri também!'

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 10/08/2012 às 03:22:00

O final de Sinhazinha (Maitê Proença) e Osmundo (Erick Marmo) foi trágico. Após viverem uma bela história de amor, os amantes foram flagrados por coronel Jesuíno (José Wilker) na cama e mortos a tiros. Com nó na garganta, Maitê se despediu da personagem sem poupar elogios: "Ao gravar o final de Sinhazinha, ao abandonar a cena de sua morte, morri também um pouco. Deixei naquela cama um dos mais bonitos trabalhos destes 33 anos como atriz. Ganhei carinho e palavras de afeto, presentes de alguns companheiros... Laura Cardoso, por exemplo, me deu um objeto significativo e bonito 'pra mesa de trabalho da escritora que você é', e ganhei flores da equipe, além da homenagem das moças da maquiagem".

Para a atriz, a emoção de fazer o papel foi tanta, que ela até revela que Sinhazinha ficará guardada em um lugar especial, além de agradecer aos companheiros de elenco: "Tudo isso mexe com a gente e deixa aquele sentimento misto de calor, alegria e tristeza que as boas experiências provocam quando terminam. Este personagem irá para minha antologia e figurará entre os mais belos", revela Maitê, que conclui:
"Agradeço a meus companheiros mais próximos, ao grande (José) Wilker, à grande Laura (Cardoso) e ao frescor competente do Erik (Marmo). Agradeço a todos os queridos atores que tornam essa história uma gostosura. Agradeço ao (Roberto) Talma, e ao Maurinho (Mendonça Filho) pela equipe que ele juntou, uma gente eficiente, gentil e alto astral. Por último agradeço ao Walcyr (Carrasco, autor da trama) por ter desenhado essa mulher quase menina, com tantas e delicadas contradições. E um 'viva' ao Jorge Amado, que deve andar às gargalhadas lá onde estiver, enviando deliciosos fluidos pra Gabriela, que segue sem mim, mas nem tanto, pois estarei de olho!"