Deputado destaca estudos do Ipea que analisaram a pobreza rural no Brasil

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O deputado federal Adelson Barreto
O deputado federal Adelson Barreto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 16/06/2016 às 00:26:00

Na sessão desta quarta-feira, 15, o deputado federal Adelson Barreto (PR) usou a tribuna da Câmara para destacar o encontro realizado pelo Ipea em parceria com o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), onde pesquisadores do Instituto apresentaram estudos que analisaram os impactos e a importância de políticas públicas voltadas a reduzir a pobreza rural no país.

De acordo com o parlamentar, o estudo do perfil da pobreza traça um panorama da situação da pobreza e da extrema pobreza das regiões Norte e Nordeste e as políticas públicas que devem ser executadas para que haja uma diminuição desse perfil no meio rural.

Em seu discurso, o deputado ressaltou que no Brasil é grande o número de mulheres que atuam como chefes de família e mostrou que no meio urbano, entre os 10% mais ricos, são as mulheres que chefiam as famílias, e quando se fala na população mais pobre, esse número sobe para 20%. "Esse fenômeno é interessante, pois mostra o papel do gênero atuando na mudança da pobreza extrema neste País", disse.
Na ocasião, Adelson apresentou uma avaliação desse conjunto de políticas públicas, começando pelo desempenho recente em termos dos respectivos recursos e beneficiários, ressaltando a importância dos programas sociais para a diminuição da pobreza. "Existem políticas como o Bolsa Família, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), onde grande parte do sucesso da diminuição da pobreza deve-se ao volume de recursos", frisou.

Por fim, o deputado disse que o estudo Mudança no clima e os impactos na agricultura familiar do Norte e Nordeste do Brasil apontou os principais problemas que afetam agricultores familiares nessas regiões, como a falta de emprego e políticas de transferência de renda, a dificuldade de acesso à terra, ao crédito rural, os baixos salários e a falta de pesquisa rural. "É preciso eliminar a fome, garantir o acesso à alimentação adequada e promover a segurança alimentar com o empoderamento das mulheres", afirma.