O vice de João

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A Associação dos Servidores da Cohidro (ASC) saiu com nota pública parabenizando a atual gestão do diretor-presidente José Carlos Felizola - que assumiu a direção da Companhia no dia 5 de maio passado - pelo compromisso que vem assumindo com os trabalhado
A Associação dos Servidores da Cohidro (ASC) saiu com nota pública parabenizando a atual gestão do diretor-presidente José Carlos Felizola - que assumiu a direção da Companhia no dia 5 de maio passado - pelo compromisso que vem assumindo com os trabalhado

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 16/06/2016 às 00:27:00

Alguns aliados do prefeito João Alves Filho (DEM) defendem que o seu candidato a vice-prefeito seja o deputado federal Robson Viana (PEN). Veem nele o vice ideal por ser jovem, ter uma boa imagem para o programa eleitoral, sempre ter sido bem votado em Aracaju e ser uma grande liderança nos bairros.
Uma forte razão também para defenderem o nome de Robson é o seu vínculo político com o governador Jackson Barreto (PMDB) há mais de 20 anos. JB andou com ele pelas ruas de Aracaju pedindo votos para vereador e deputado estadual e contou com o seu apoio quando disputou o governo junto com Déda em 2010 e depois na sua reeleição em 2014.

O entendimento é que Robson sabe onde estão as lideranças de Jackson Barreto em Aracaju e pode ir atrás delas para pedir votos para João Alves e ele próprio, como vice, uma vez que JB não é candidato mais a nada - como tem declarado. Levam em consideração o caso de Zezinho Sobral (PMDB) vir a ser o candidato a prefeito, por não ter densidade eleitoral própria.
Acham que o fato de Robson Viana vir a ser o vice de João Alves poderá passar para a opinião pública que, por debaixo do pano, existe um acordo do governador e do prefeito de que em 2018 estarão juntos, com JAF disputando o governo e JB o Senado. Isso porque Robson, que sempre foi vinculado a Jackson, seria o prefeito de Aracaju.

Essa teoria, bem o perfil do filósofo Maquiavel, estaria sendo defendida por alguns aliados do prefeito. Um deles, inclusive, chegou a comentar o interesse de João Alves em ter Robson como vice, tendo, inclusive, determinado na Prefeitura que o que ele pedisse nesses festejos juninos para os bairros ou a sua mulher - que trabalha no município - fosse atendido.
Ao mesmo tempo em que têm aliados defendendo o nome do deputado Robson, têm os que defendem uma composição com o senador Eduardo Amorim (PSC). Simplesmente pela razão de entenderem que o parlamentar sendo candidato a prefeito vai tirar votos de João, já que os dois têm o mesmo eleitorado: centro-direita.

O entendimento desse setor é que Eduardo sendo mesmo candidato pode dificultar a eleição para João Alves, que enfrenta um grande desgaste político por conta das promessas não cumpridas na campanha eleitoral e pela frustração de que não foi a "solução" para os problemas de Aracaju. Sem falar que entendem que o senador atrairia mais partidos e aliados para a aliança.
O que se vê nesse momento são aliados do prefeito dividido entre Robson Viana e Eduardo Amorim. E o vice-prefeito José Carlos Machado (PSDB), fiel escudeiro de João Alves há décadas, com chances de dançar nesse período junino.

Questão do vice 1
Ontem uma fonte garantiu à coluna que o prefeito João Alves Filho (DEM) teria oferecido a vice ao senador Eduardo Amorim (PSC). E que o encontro entre eles teria sido intermediado pelo conselheiro aposentado do TCE, Reinaldo Moura, pai do deputado federal e presidente estadual do PSC, André Moura.

Questão do vice 2
Ainda segundo a fonte, a proposta é que o vice possa ser o próprio Eduardo ou um outro nome indicado pelo grupo. Ressalta que uma nova conversa acontecerá nesse final de semana, daí porque foi adiado o lançamento da pré-candidatura de Amorim nessa sexta-feira, 17.

Vamos aguardar
A coluna tem conhecimento que o lançamento do nome de Eduardo teria sido adiado para o próximo dia 22 de junho, com as presenças de lideranças nacionais do PSC, como os deputados federais Jair Bolsonaro (RJ) e Marco Feliciano (SP). E que Eduardo tem dito a todo mundo que é "candidatíssimo" a prefeito.
Especulação
Nas rodas políticas já tem quem acredite que o governador Jackson Barreto (PMDB) acabará fazendo a opção pelo nome do ex-prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB), por vir liderando as pesquisas, e por não desejar três aliados disputando as eleições para não dividir tanto os votos do eleitorado facilitando para os adversários.

O que falar
Isso começou a ser cogitado no final de semana quando Jackson tirou várias fotos ao lado de Edvaldo. Assim como durante entrega à polícia de viatura do PAC Móvel, no sábado, na Praça Ulisses Guimarães, no Santos Dumont, quando rasgou elogios ao ex-prefeito que estava presente. Disse JB que a praça, que foi abandonada pelo prefeito João Alves, foi reformada na gestão de Edvaldo Nogueira, ali presente, que "foi um grande prefeito". O pré-candidato Zezinho Sobral (PMDB) estava presente, junto com alguns secretários.

Cassada
Por 8 x 1, a Câmara Municipal de Canhoba cassou ontem o mandato da prefeita Elinalda Pereira por suposto esquema de desvio de recursos públicos. A prefeita e o juiz eleitoral da comarca serão notificados hoje da decisão dos vereadores, que acataram relatório da CPI pedindo o impeachment da gestora. A assessoria jurídica de Elinalda vai recorrer.

No TRE 1
Por unanimidade, o pleno do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) concedeu ontem o restabelecimento dos direitos políticos e certidão de quitação eleitoral do ex-prefeito de Lagarto, Jerônimo Reis (PMDB). Os membros acataram o voto do relator, o juiz Fernando Stefaniu. Jerônimo é pré-candidato a prefeito de Lagarto.

No TRE 2
Também ontem, no TRE, o juiz Jorge Fraga pediu vistas do processo contra o ex-prefeito Manoel Sukita (PTN-Capela) por crimes eleitorais denunciados pelo Ministério Público Eleitoral. O pedido de vistas ocorreu logo após o relator, o desembargador Edson Ulisses, ter negado provimento ao recurso.
Albano e
os médicos
Nesta quinta-feira o ex-governador Albano Franco (PSDB) fará palestra para os médicos sergipanos sobre o tema "O Desafio do Investimento". Será a partir das 12 horas, na reunião almoço da Sociedade Médica de Sergipe, a convite do presidente José Aderbal Aragão. Em recente artigo publicado no Jornal O Globo, Albano defendeu que é inadiável para o Brasil as reformas tributária e trabalhista, assim como, a priorização de investimentos estruturantes.

Nível de
transparência
O Ranking Nacional da Transparência divulgado pelo Ministério Público Federal (MPF) mostra que o índice de transparência do governo do Estado apresentou melhora significativa: saltou de 5,7 para 8,1, um avanço da 21ª para 19ª colocação. E que já Aracaju, que era a 23ª entre as 27 capitais, passou a ser a 26ª, com 5,1 pontos.

Reunião de
prefeitos
A Federação dos Municípios do Estado de Sergipe (FAMES) promove hoje, às 10h, na sede da entidade, um encontro dos prefeitos sobre o Marco Regulatório do Terceiro Setor. O objetivo é orientar os gestores sergipanos a respeito das novas regras para realização de parcerias entre órgãos do Poder Público e organizações da sociedade civil, cujo prazo para adequação vai até janeiro de 2017.

 No Estadão
O jornal de ontem noticiou que com a perspectiva de cassação do mandato do deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) retornou o debate sobre a sua sucessão na presidência da Câmara. E que o Centrão, maior bloco informal da Câmara, com cerca de 250 deputados, quer eleger o sucessor de Cunha, sendo os cotados: Jovair Arantes (PTB-GO), Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Rogério Rosso (PSD-DF) e o atual líder do governo, André Moura (PSC-SE).

Estre
Em sua delação premiada, o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado relatou ter repassado propina ao menos a 18 políticos de diferentes partidos, passando por PMDB, PT, PP, DEM, PSDB e PSB. Machado também relatou quais empresas aceitavam fazer pagamentos de propina referentes aos contratos com a Transpetro, citando entre elas a Estre Ambiental, que entrou em Sergipe com construção de aterro sanitário em Rosário do Catete e coleta do lixo em Aracaju.

Eleições já
Da presidente afastada Dilma Rousseff em entrevista concedida às agências internacionais de notícias sobre a realização de novas eleições no país desde que seja reconduzida ao cargo: "Se tiver de ter novas eleições, eu serei a favor. Só tem uma coisa. Eu acredito que não haverá democracia se o meu mandato não for restabelecido. Para ter qualquer processo [eleitoral], tem de haver o restabelecimento do meu mandato. Aí se pode consultar a população e ver o que se faz".

Plebiscito
Dilma recebeu anteontem no Palácio da Alvorada senadores, presidentes de partidos políticos e integrantes de movimentos sociais para tentar buscar um consenso sobre o plebiscito para a convocação de novas eleições presidenciais. De acordo com a "Folha de S. Paulo", a petista queria afinar o discurso entre parlamentares e líderes da base social do PT e se comprometer, caso seja reconduzida ao Planalto, a fazer um "governo de transição" com "acenos à esquerda" e mudanças na política econômica.

Veja essa...
o chefe de gabinete do vereador Manuel Marcos, Igor - um aliado do prefeito João Alves - a um amigo ontem por telefone sobre as eleições municipais: "O medo de João Alves é o governador Jackson Barreto chamar o reserva [Edvaldo Nogueira] para ser o titular [Zezinho Sobral]".

Curtas
O ex-deputado federal Mendonça Prado continua filiado ao DEM. Não foi expulso nem pediu desfiliação do ninho dos ex-sogros João Alves e Maria do Carmo. Mendonça é filiado ao DEM desde 1999.

O líder do PSC no Senado, Eduardo Amorim, esteve ontem no Palácio do Planalto, com o presidente interino Michel Temer e líderes dos partidos que compõem a base aliada na Câmara e no Senado. Eles discutiram a PEC que será enviada ao Congresso Nacional para limitar o crescimento dos gastos públicos.
Entre os 11 deputados que na Comissão de Ética da Câmara votaram "sim" pela cassação de Eduardo Cunha, quatro registram ocorrências na Justiça e/ou nos Tribunais de Contas - o que equivale a 36,3% do grupo.

Na outra ponta, dos nove deputados que votaram "não", sete possuem pendências judiciais - um total de 77,7%.  Os dados foram levantados pela Lupa no projeto Excelências da Transparência Brasil.

De José Simão, da Folha de S. Paulo: "E o Brasil tem tanto réu que vai mudar pra RÉUpública. Réupública do Brasil! Rarará!"