A definição de rumos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 24/06/2016 às 00:03:00

O governador Jackson Barreto se reuniu na quinta-feira de manhã, em sua casa, com deputados, vereadores e dirigentes do PMDB, que entregaram um documento mostrando a importância da apresentação de candidatura própria do partido a prefeito de Aracaju. O ex-secretário José Sobral, preferido da maioria peemedebista, não participou do encontro.
Segundo um membro do partido, Jackson ouviu muito, fez a leitura do documento e confirmou que na segunda-feira fará um comunicado público sobre o seu candidato a prefeito de Aracaju, em caráter irreversível. Ainda não sabe se através de nota pessoal ou do PMDB
Ele aproveitará os feriados de São João para visitar as festas mais importantes do Estado e fazer comunicações a dirigentes dos partidos aliados. Ele já teria feito a opção, mas quer informar a todos os aliados antes da comunicação pública para evitar dificuldades em alianças no segundo turno da campanha e/ou comprometer o processo eleitoral de 2018, quando considera fundamental a permanência da maioria dos partidos que integram a base.
A posição do governador norteará as ações dos partidos aliados a partir da segunda-feira, já que as convenções partidárias serão realizadas apenas a partir de 15 de julho. Parece irreversível a candidatura do ex-prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB), mesmo que a opção do governador ainda possa ser a candidatura de Zezinho.
O PT sergipano vai decidir sua posição em encontro no dia 6 de julho, e, como vem ocorrendo nas suas campanhas, deverá sair extremamente dividido, mesmo que a opção de JB seja a candidatura de Edvaldo, preferido pela maioria das correntes, contrariando quadros representativos do partido, como o presidente estadual Rogério Carvalho, o deputado federal João Daniel, o deputado estadual Francisco Gualberto, e o presidente do diretório municipal, vereador Emmanuel Nascimento.
O PT está complemente fragilizado e a prisão do ex-ministro Paulo Bernardo, e a apreensão de documentos na sede do diretório nacional do partido, em São Francisco, mostram que o partido não pode fazer muitas exigências nesse quadro atual. Mesmo assim, um grupo quer impor nomes e influenciar inclusive na postura do governador Jackson Barreto, que sempre foi uma liderança histórica e vitoriosa em Aracaju.
De qualquer forma, a partir da decisão de Jackson, na segunda-feira, os partidos do bloco governista definirão seus rumos, nãos e sabe ainda se com um ou dois candidatos na disputa para a prefeitura de Aracaju.

Segredo
O governador Jackson Barreto (PMDB) fez mistério sobre a pauta da reunião que convocou os deputados estaduais do partido e os secretários peemedebistas João Augusto Gama, que é presidente do Diretório Estadual, e Benedito Figueiredo. Não antecipou, sequer, o local da reunião que acabou sendo na sua residência e não no Palácio de Veraneio ou na sede do PMDB. Não queria a imprensa por perto.

Ouviu muito
A pauta da reunião foi realmente a sucessão municipal em Aracaju, quando se discutiu quem o partido deve apoiar: Zezinho Sobral (PCdoB) ou Edvaldo Nogueira (PCdoB). JB ouviu os correligionários, já tomou posição e na próxima segunda-feira, 27, anunciará o nome do seu candidato a prefeito de Aracaju.

Corrente por Zezinho
Na cúpula do PMDB a grande maioria é favorável ao nome de Zezinho Sobral, a exemplo dos quatro deputados estaduais Luciano Bispo, Garibalde Mendonça, Zezinho Guimarães e Goretti Reis, além do presidente Gama. A favor de Edvaldo somente Benedito Figueiredo.

Apelo
Na reunião, foi entregue ao governador um documento defendendo o nome de Zezinho Sobral para prefeito, assinado pelos quatro deputados, os dois vereadores - Bigode e Dr. Gonzaga - e o presidente Gama. As assinaturas foram coletadas pelo próprio pré-candidato peemedebista.

O teor 1
Diz o documento: "No momento difícil da vida dos brasileiros, quando assistimos ao descrédito da classe política, o PMDB sergipano, forjados nas lutas, reafirma-se mais uma vez, unido e preparado para enfrentar as eleições de outubro de 2016".

O teor 2
Prossegue: "Temos no senhor, presidente Jackson Barreto, o líder que conquistou o governo de Sergipe para nossa sigla na última eleição, o comandante seguro, consciente das dificuldades. Jamais esmoreceu. Durante décadas, o senhor se renovou. Na vanguarda. Sempre apresentando novos nomes para Aracaju. O PMDB sergipano precisa mostrar ao país e ao PMDB Nacional a sua força. Sem menosprezar os demais pré-candidatos, o PMDB de Aracaju indica, com coerência, o melhor nome à disputa da Prefeitura".

O teor 3
Finaliza o documento: "Seguindo seu exemplo, Zezinho Sobral, ganhou o caminho das ruas. Apresentou-se ao povo. Mostrou seu trabalho de gestor público, testado no seu governo. Casa Civil e Saúde. Aprovado pelo senhor, em ambas as pastas. Zezinho Sobral e o PMDB precisam do seu apoio".

O que falou
Após receber o documento e ler, o governador disse que era preciso ouvir a todos os partidos aliados até o final de semana e concluir as conversas com as lideranças. Ressaltou que o mais importante é manter todos unidos não só em 2016, mas em 2018. E que tinha a preocupação de que os aliados pensem que o PMDB quer ficar com tudo: governo e prefeitura de Aracaju. Frisou ainda que era preciso cautela para atender a todos os partidos.

Nas entre linhas
Para bom entendedor meias palavras bastam. O candidato de Jackson Barreto a prefeito de Aracaju caminha para ser Edvaldo Nogueira.

Vapt vupt
A reunião de Jackson com os peemedebistas durou pouco mais de meia-hora. Logo depois todos os deputados foram embora e ele ficou despachando com os secretários João Augusto Gama (Seplag) e Benedito Figueiredo (Governo).

Pró-Edvaldo
Nesse período que antecede ao anúncio do seu pré-candidato a prefeito, JB vem recebendo vários conselhos. Uns que deve apoiar Edvaldo por está bem nas pesquisas de intenções de votos; por não haver recursos para campanha nem muito tempo para trabalhar; e que caso  o ex-prefeito venha a perder a eleição a derrota não será atribuída a ele (governador), mas ao próprio comunista e ao PT.

Pró-Zezinho
Os argumentos a favor do nome de Zezinho são maiores. São eles: que se não apoiar Zezinho Sobral o governador poderá ter problemas em Brasília, no governo interino de Michel Temer, por apoiar a chapa PCdoB/PT; que mostrará que pelo fato do seu candidato não emplacar, se rendeu a Edvaldo e ao PT; que queimará o nome de Zezinho, se ele não for o candidato após incentivo e lançamento da sua pré-candidatura com pompas; e ainda terá um PMDB mais que rachado.

Não apoia Edvaldo
O deputado estadual Zezinho Guimarães já chegou a revelar à coluna que ele apoia Zezinho Sobral para prefeito, mas se o partido decidir por Edvaldo Nogueira ele apoiará o pré-candidato Valadares Filho (PSB). Disse que não lhe agradou a forma como Edvaldo tratou aliados quando prefeito de Aracaju.

Briga feia 1
Mesmo sendo do mesmo partido político, o PT, e tendo uma história de militância sindical em comum, os deputados estaduais Francisco Gualberto e Ana Lúcia Menezes apenas se toleram no parlamento. Essa é a opinião de muitos colegas que convivem no dia a dia com os dois durante as sessões na Assembleia Legislativa. Por conta disso, na sessão de ontem houve um desentendimento bastante ríspido entre os dois, quando Ana Lúcia quis acusar Gualberto, que é o líder do governo, de desrespeitá-la por conta da provável reprovação de uma emenda que a deputada apresentará à LDO na votação do próximo dia 30.

Briga feia 2
A discussão entre Ana Lúcia e Gualberto aconteceu num canto da sala de comissões, enquanto rolava a audiência pública com o presidente do Ipesaúde, Christian Oliveira, na manhã de ontem. Quase ninguém percebeu o 'arranca-rabo' na hora, mas depois todos se preocuparam com ambos. Houve um momento, segundo testemunhas, em que Gualberto virou para Ana e disse: 'Você foi responsável pela doença que matou Marcelo Déda. Mas comigo não vai conseguir fazer isso'. Aí o clima ficou pesado. Logo os deputados Venâncio Fonseca e Antônio dos Santos puxaram Gualberto para um acalanto e Ana Lúcia se retirou do ambiente. Teve até dedo na cara.

Sem impor
A deputada Ana Lúcia rebateu, na tribuna da Assembleia Legislativa na manhã de ontem, as declarações do deputado Francisco Gualberto sobre a parlamentar a respeito da situação da previdência e do pagamento do aporte diante do déficit previdenciário por seus respectivos Poderes. Ela esclareceu que, ao contrário do que disse o colega Gualberto, ela não tentou impor nem afirmou que iria negociar qualquer emenda à Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) sobre o tema. A LDO tramita na Alese e sua redação poderá definir se cada Poder irá ou não colocar o aporte necessário diante do déficit previdenciário.

Emenda
Caso a emenda não seja elaborada, ressaltou Ana Lúcia, mais uma vez os funcionários públicos do Poder Executivo serão prejudicados. "Não havendo previsão na Lei de Diretrizes Orçamentárias, não haverá  garantia no orçamento para 2017", alertou. "O Poder Executivo, em 2017, assumirá mais uma vez de forma contábil e fiscal a responsabilidade de todo o aporte", completou a deputada.

Veja essa...
De um deputado estadual governista, que não quis se identificar, sobre a troca de farpas ontem entre os dois deputados petistas: "O que acontece é que Ana, apesar de ser da base do governo, se comporta como oposição e isso irrita todo mundo da bancada. Tem uma hora que a paciência some".

Curtas
O prefeito Heleno Silva (Canindé-PRB) e o deputado federal Jony Marcos (PRB) serão os últimos aliados que o governador Jackson Barreto conversará sobre o seu candidato a prefeito. A reunião está agendada para o domingo à tarde.

O PT de Boquim lançou o bancário e advogado Chicão Almeida como pré-candidato a prefeito nas eleições de 2016.  Entre os que marcaram presença no ato político o deputado federal João Daniel e o secretário nacional de finanças do PT, Marcio Macedo.  Devem compor com o petista o PV, PSB e PROS.

A crise política realmente afetou o PT. Nas eleições deste ano o partido deve ter poucos candidatos a prefeito nas capitais. Até o momento, há apenas sete candidatos confirmados para São Paulo, Recife, Fortaleza, Curitiba, Manaus, Porto Alegre e Rio Branco.

Em Aracaju o PT não terá candidato a prefeito, mas pode indicar o vice do pré-candidato a prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) que é a ex-primeira dama Eliane Aquino.

De Paulo Coelho: "Deputado Eduardo Cunha os ratos já o abandonaram. Cumpra a promessa, denuncie os 150 políticos corruptos. Não vai salvá-lo, mas salvará o país".