LIBERDADE PARA QUEM?

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 23/06/2016 às 19:05:00

Nas redes sociais circula um texto que é classificado como discurso. O autor é identificado como general Paulo Chagas.
Pode ser que o general exista mesmo, ou pode ser que o nome seja mais uma invenção dos que andam a incentivar saídas extravagantes para a nossa crise, e acham que o fato de vestir farda faz da pessoa um desajustado para a democracia, saudosista dos tempos em que crise se "resolvia" pondo os tanques nas ruas.
Alguns trechos do "discurso": "Liberdade para que? Liberdade para quem? Liberdade para roubar, matar, corromper, mentir, traficar e viciar?
Liberdade para ladrões, assassinos, corruptos e corruptores, para traficantes, viciados e hipócritas?
Falam de uma 'noite' que durou 21 anos, enquanto fecham os olhos para a baderna, a roubalheira e o desmando, que, à luz do dia já dura 26!
.......... Fala-se muito em liberdade! Liberdade que se vê de dentro de casa, por detrás das grades de segurança, de dentro dos carros blindados e dos vidros fumê!
Mas afinal o que se vê? Vê-se tiroteios, incompetência, corrupção, quadrilhas e quadrilheiros, guerra de gangs e traficantes.
......... Olhando mais adiante enxergamos assaltos, estupros, pedófilos, professores desmoralizados, ameaçados e mortos, vemos 'bullyng' conivência e mentira, vemos crianças que matam, crianças drogadas, crianças famintas, crianças armadas, crianças arrastadas, crianças assassinadas.
......... Vivemos em uma terra sem lei, assistimos a massacres, chacinas e sequestros. Uma terra em que a família não é valor, onde menores são explorados e violados por pais, parentes e estrangeiros.
....... Mas afinal em que país vivemos?
Vivemos no país da impunidade onde o crime compensa e o criminoso é conhecido, reconhecido, recompensado, indenizado e transformado em herói. Onde bandidos de todos os colarinhos fazem leis para si, organizam 'mensalões' e vendem sentenças.  Nesta terra a propriedade alheia, a qualquer hora e em qualquer local é tomada de seus donos, os bancos são assaltados e os caixas explodidos, é aqui na terra da liberdade que encontramos a 'cracolândia' e a 'roubauto', 'dominadas' e vigiadas pela polícia!
...... Afinal, aqueles da escuridão eram 'anos de chumbo' ou anos de paz? E estes em que vivemos são anos de liberdade ou de compensação do crime do desmando e da desordem?
Quando será que nós, homens e mulheres de bem, teremos de volta a nossa liberdade?"
Sobre o texto do general, ou suposto general, apenas diríamos que a liberdade serve sim, a começar para que ele próprio produza e distribua livremente aquele texto, onde desqualifica a democracia, sem sofrer represálias, e com plena garantia de se expressar e criticar, como e quando quiser. Na época em que ele afirma que "homens e mulheres de bem" usufruíam da liberdade, alguém que tivesse a ousadia ou coragem cívica de criticar o regime, terminaria preso, ou "suicidado". No tempo em que ele desfrutava a plena liberdade da qual sente saudade, uma epidemia de meningite espalhou-se no país, matou milhares de brasileiros, enquanto a mídia era amordaçada pela censura, exercida por censores quase sempre ignorantes, colocados nas redações. Era terminantemente proibido noticiar casos de meningite, que, segundo a lógica perversa do regime não existiam. Não havia necessidade de nenhuma precaução, porque meningite era apenas uma invenção dos comunistas. E de meningite os brasileiros continuavam morrendo. Sob a "liberdade" que perderam, segundo o autor do texto os "homens e mulheres de bem", chegou às redações uma determinação do Ministério da Justiça proibindo a veiculação de qualquer noticia sobre o estupro e morte de uma menor em Brasília, no qual estariam envolvidos o filho do Ministro da Justiça Alfredo Buzaid, e um outro filho de um Senador da República. Naquele tempo de tanta "liberdade" ninguém foi punido.
O problema desses desajustados que renegam a democracia e pedem a ditadura é que não fazem a eles mesmos uma pergunta simples: Se conseguirmos implantar uma ditadura e depois discordarmos dos seus rumos, poderíamos então criticá-la livremente, como fazemos hoje em relação à democracia?
A democracia poderá chegar até a um momento de podridão, como este que agora atravessamos, mas é o único regime que se autorregenera. E esse esforço de regeneração é o que teremos de fazer agora, aliás, já está sendo feito.