Fim do mistério

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Após reunião no PMDB, Jackson Barreto e Edvaldo Nogueira tiveram uma conversa com o presidente estadual do PT, ex-deputado Rogério Carvalho. O petista disse que não tinha nenhum problema em apoiar Edvaldo, pelo fato de sempre ter dito que votaria no candi
Após reunião no PMDB, Jackson Barreto e Edvaldo Nogueira tiveram uma conversa com o presidente estadual do PT, ex-deputado Rogério Carvalho. O petista disse que não tinha nenhum problema em apoiar Edvaldo, pelo fato de sempre ter dito que votaria no candi

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 28/06/2016 às 00:26:00

Após reunião no PMDB, Jackson Barreto e Edvaldo Nogueira tiveram uma conversa com o presidente estadual do PT, ex-deputado Rogério Carvalho. O petista disse que não tinha nenhum problema em apoiar Edvaldo, pelo fato de sempre ter dito que votaria no candidato do governador.
Mais tarde, pelas redes sociais, Rogério postou uma foto com JB e EN, enfatizando: "Acordo firmado, aliança fortalecida! Edvaldo será nosso candidato a prefeito". Com isso, no dia 6 de junho, quando o PT definirá candidaturas, haverá consenso em torno do nome do comunista e de Eliane Aquino como vice. 

Fim do mistério

O governador Jackson Barreto (PMDB) começou 2016 tendo quatro aliados como pré-candidatos a prefeito de Aracaju: Edvaldo Nogueira (PCdoB), Valadares Filho (PSB), Zezinho Sobral (PMDB) e Ana Lúcia (PT), que saiu da disputa logo em janeiro.

Nas entrevistas que concedeu a imprensa disse que defendia duas pré-candidaturas da sua base aliada e acreditava que estariam no segundo turno. JB disse que não ia "advogar" candidatura alguma, que os pré-candidatos tinham que construir alianças e reunir as condições para ser o candidato do governo. Garantiu que em maio anunciaria o nome que iria apoiar, transferindo depois para 27 de junho.

Em março, em conversa com a coluna, JB afirmou que a escolha do seu candidato seria baseada em três pré-requisitos: o da vontade popular, pois a campanha era curta, sem recursos e não poderia estar direito nas ruas por ter que governar o estado; o que se encontrasse no mesmo campo ideológico tanto em Sergipe quanto em  Brasília; e unisse mais o grupo.

Por essas declarações à coluna, em 08 de março já foi colocado que pelos critérios estabelecidos o candidato do governador seria Edvaldo Nogueira. Pelo critério da pesquisa de intenções de votos Zezinho ficaria de fora, pois não cresceria o suficiente para ultrapassar Edvaldo nem Valadares Filho e haveria dificuldade de consolidar seu nome na campanha eleitoral pelo curto tempo e falta de recursos financeiros.

Pelo critério do campo ideológico, Valadares Filho ficaria de fora pelo PSB fazer oposição ao governo da então presidente Dilma e já ter anunciado que votaria na Câmara pelo processo de impeachment. Ele mesmo antecipou a sua exclusão de ser o candidato de Jackson quando, no início de maio, entregou os cargos do partido no governo para não ter qualquer constrangimento em negociar apoios à sua pré-candidatura.
A favor ainda de Edvaldo, que está bem nas pesquisas, ainda o fato de não ter projeto político para 2018. Diferente do PSB, que mesmo bem nas pesquisas pode ter o senador Valadares candidato à reeleição ou até mesmo ao governo.

Trocando em miúdos, apesar das várias especulações, o governador Jackson Barreto oficializou no dia 27 de junho, conforme tinha garantido, o nome de Edvaldo. Para uns foi surpresa, pois esperava que viesse a apoiar Zezinho após o lançamento da sua pré-candidatura no final de abril, em um grande ato político em um hotel da orla. Mas não foi surpresa alguma o nome de Edvaldo, pelo que Jackson disse lá atrás sobre os critérios que definiriam o seu candidato.    
Ele voltou a sinalizar nessa direção na reunião da quinta-feira passada, em sua residência, com os quatro deputados estaduais do PMDB, os dois vereadores e os secretários peemedebistas João Augusto Gama e Benedito Figueiredo. E que foi registrado pela coluna na edição da sexta-feira, 24, que deu como certo que o candidato de JB seria Edvaldo.

Isso porque, após recebimento de documento do partido assinado pelos parlamentares peemedebistas e o presidente da legenda declarando apoio a Zezinho Sobral,  o governador ressaltou que o mais importante era manter todos unidos não só em 2016, mas em 2018; que tinha a preocupação de que os aliados pensassem que o PMDB quer ficar com tudo: governo e prefeitura de Aracaju; e que era melhor pleitear o governo em 2018.
Agora, Edvaldo e Jackson - que mostrou coerência com as suas convicções - esperam o apoio do PT e a indicação do nome da ex-primeira dama Eliane Aquino para vice. Assim como o apoio do PRB.

Justificativa de apoio 1
Ao oficializar ontem apoio a pré-candidatura de Edvaldo Nogueira (PCdoB), no final da manhã, na sede do PMDB, o governador Jackson Barreto (PMDB) falou da importância de garantir a unidade do bloco aliado não só em 2016, mas em 2018; não parecer que o PMDB queria todos os espaços sem respeitar aliados; do apoio de Edvaldo a uma candidatura do PMDB ao governo.

Justificativa de apoio 2
Jackson ressaltou que não queria enfraquecer o processo político na capital com duas pré-candidaturas (Edvaldo e Zezinho) e uma terceira de Valadares, que levou aliados, e nem abrir mão de um projeto de centro esquerda. "No campo em Sergipe, o PMDB que é uma frente ampla, mantém o alinhamento de centro-esquerda e sempre vai continuar trabalhando nessa linha. É preciso acabar com o conservadorismo de João Alves".

Expectativa
Em suas colocações, JB disse que o que queria de Edvaldo era que reconhecesse o esforço feito para manter a unidade e que colocasse publicamente o projeto de apoiar o PMDB em 2018. "Confio na sua atuação e manutenção dos compromissos assumidos em 2016 e 2018", frisou.

Reconhecimento
O governador enalteceu o gesto de grandeza do ex-secretário Zezinho Sobral (PMDB) em aceitar retirar seu nome da disputa após ter passado vários meses trabalhando para construir sua candidatura. "Zezinho, que teve a sua pré-candidatura incentivada por mim, atendeu ao nosso apelo. Pensou no projeto, compreendeu o momento", afirmou, enfatizando que  ele se colocou com a imagem de um grande gestor, um jovem e um político e, por isso, é um grande nome para 2018.

Posição de Gama
O presidente estadual do PMDB, João Augusto Gama, que foi o maior incentivador da pré-candidatura de Zezinho Sobral, afirmou que o seu partido abriu mão da disputa em 2016 por posição na luta em 2018, com a campanha do PMDB na cabeça de chapa. O PMDB estadual entendeu que é preciso ganhar as eleições em 2016 em Aracaju e manter o grupo unido em 2018.
Colocação de Garibalde
O presidente municipal do PMDB, deputado Luiz Garibalde, disse que ratificava as colocações de Jackson e Gama. Lembrou que tinha pretensões de ser o candidato a prefeito de Aracaju, abriu para Zezinho Sobral e agora o partido abre para Edvaldo Nogueira. "Parabenizo Zezinho pela sua atitude e comprometimento com o projeto. Com isso, estamos tranquilos para apoiar Edvaldo, que terá o apoio dos 36 pré-candidatos a vereador pelo PMDB", frisou.

Posição dos
deputados
O presidente da Assembleia, Luciano Bispo, disse que Edvaldo podia contar com o seu apoio e presença política em atos de campanha. Já o deputado estadual Zezinho Guimarães, que não morre de amores pelo pré-candidato comunista, enalteceu que o PMDB era uma família e tinha um líder. "Seguirei as diretrizes traçadas pelo nosso líder, na expectativa de estarmos juntos em 2016 e em 2018 com a candidatura do PMDB", colocou.

Dois pontos
Já o presidente da Fundação Ulisses Guimarães, Benedito Figueiredo, o último a falar, disse que aquele era um momento histórico. "O PMDB abrir mão de candidatura própria tem dois significados: humildade demonstrada por Zezinho e união do partido. Em política só se faz duas operações: somar e multiplicar. Vamos estar unidos para eleger o melhor candidato a prefeito. Só não vamos abrir mão de indicar o candidato a governador em 2018", afirmou Benedito, que foi o único da cúpula do PMDB a defender inicialmente o apoio a Edvaldo junto com o marqueteiro e assessor de JB, Carlos Cauê.

Agradecimento
Após a oficialização do seu nome, Edvaldo agradeceu ao PMDB e a JB e assegurou o apoio ao candidato peemedebista ao governo do estado em 2018. "Quero manter a união do grupo, que levará a nossa vitória. Eleito serei um grande parceiro para conduzir o projeto em 2018, sob a coordenação do governador. Com Jackson Barreto vamos trabalhar para transformar os programas, projetos e o futuro de Aracaju. É isso que o diferencia dos demais políticos. Na hora da decisão sempre coloca o interesse da população acima dos interesses menores".

Convicção
Edvaldo reconheceu que se o governador e o PMDB quisessem podiam impor a candidatura de Zezinho, por ser o maior partido, ter o governo e a maior bancada de deputado estadual na Assembleia, inclusive o presidente do Poder Legislativo. "Mas pensaram em melhorar cada vez mais Aracaju e ter o candidato a governador em 2018. Vamos para as trincheiras. Com o apoio do PMDB vamos derrotar a candidatura conservadora de João Alves Filho", afirmou.

Recado 1
Na entrevista que concedeu à imprensa, Jackson Barreto afirmou que até entende que o aliado, o prefeito Fábio Henrique (PDT/Socorro), não venha apoiar em Aracaju Edvaldo Nogueira pelo fato do PCdoB em seu município ser adversário com a pré-candidatura de Padre Inaldo (PCdoB). Disse que entende que apoie o pré-candidato Valadares Filho (PSB), menos o prefeito João Alves (DEM).

Recado 2
Jackson não quis falar se romperia com Fábio caso venha a apoiar João Alves. Preferiu apenas dizer: "Fábio é inteligente. Sabe que tem projeto para o futuro e o futuro político dele não é com João Alves".

Sobre Aracaju 1
O prefeito Heleno Silva (PRB/Canindé) e o deputado federal Jony Marcos (PRB) almoçaram ontem com dois pré-candidatos a vereador de Aracaju pelo partido: Professor Anderson Gois e o pastor Alves. No cardápio, a sucessão municipal, que passa por 2018, onde o partido tem interesse na reeleição de Jony Marcos e na candidatura de Heleno ao Senado.

Sobre Aracaju 2
Segundo Heleno, ele e Jony tiveram uma conversa com o governador no sábado e um almoço com Edvaldo Nogueira, mas o PRB ainda não fechou questão sobre quem vai apoiar para prefeito na capital. Ressaltou que tem que ouvir a base e a nacional, que defende apoio a Valadares Filho pelo apoio do PSB nacional ao pré-candidato a prefeito no Rio de Janeiro, o senador Crivella (PRB)

Veja essa...
Do governador Jackson Barreto ao ficar rouco ontem, durante sua explanação na reunião do PMDB que oficializou apoio a Edvaldo Nogueira: "Minha voz está gasta. Ruim para os comícios, pois estou ficando rouco". Todos riram.

Curtas
Jackson Barreto confirmou ontem que Zezinho Sobral voltará a administração pública, por ter se consolidado como bom gestou. Deve retonar a Secretaria da Saúde.

Edvaldo Nogueira agradeceu a Zezinho Sobral pelo gesto de abrir mão da sua candidatura em nome de um projeto maior, por ter o apoio da maioria do partido. "Isso é muito difícil na política. Ele tem um grande futuro pela frente pelo seu gesto político", frisou ontem.  

O senador Eduardo Amorim (PSC) não deve mesmo ser candidato a prefeito de Aracaju. Viajou para a Europa com a família, onde passará 15 dias visitando países europeus.    

Deputados aprovaram ontem, em segunda discussão, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Mas as emendas ainda não foram votadas.