Santa e Pecadora

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
ELA CONSIDERAVA SE A REAL MUDANÇA QUE SE PROCESSAVA DENTRO DELA ERA BIOLÓGICA OU NÃO (ILUSTRAÇÃO: LEONARDO ALENCAR)
ELA CONSIDERAVA SE A REAL MUDANÇA QUE SE PROCESSAVA DENTRO DELA ERA BIOLÓGICA OU NÃO (ILUSTRAÇÃO: LEONARDO ALENCAR)

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 14/08/2012 às 03:14:00

Eu subia por sobre a cama de Doralice, aconchegando-me contra seus peitos generosos. E falei assim para a cafetina:
- Para uma idosa senhora, você tem tetas maravilhosas. Seu corpo de mulher madura tem uma suavidade de limpeza e conforto.
Dora não conseguiu controlar as lágrimas que enchiam-lhe os brilhantes olhos esverdeados.
- Que bom ouvir isso de você, meu garoto. Tão jovem e mestre na arte de saber agradar uma mulher!
Pensamentos e mais pensamentos. Lágrimas abundantes nos olhos de Dora. Ela continuava na cama ao meu lado. Por um momento fiquei convencido de que ela estaria sonhando um sonho impossível. Ofegava à medida que eu sorria largamente para ela, que sentia-se como uma jovenzinha num carrossel, com a boca aberta gritando e sem nenhum som sair dela. Ela não estava certa se sentia êxtase ou frio temor.

De repente resolvi segurá-la fortemente contra mim. Ela gemia à medida que sentia as minhas mãos na sua bunda, num forte aperto. O rosto dela estava afogueado, tamanha a sua excitação.
- Você vai comandar as minhas ações, Dora. Levante-se um pouco e ajude-me a encontrar o caminho da gruta da felicidade...
Enrolei os braços no pescoço dela, percorrendo suas costas e a curva dos seus seios, disposto a permanecermos ligados como irmãos siameses, por longas horas. Ela ajudava-me a encontrar o caminho de suas profundezas e... repentinamente estávamos grudados como um casal de cães no cio. Aí já não éramos mais irmãos siameses. Tudo tão repleto, tão quente e tão profundo, a ponto de Doralice cavalgar com uma paixão demolidora, paixão que nos arrastaria em segundos, a um violento clímax. Violento e ruidoso.
A cafetina estava sem fôlego, tal a sua paixão, controlando uma iminente gargalhada.

- Você é um tarado precoce e eu sou uma velha ninfomaníaca. Por que vivemos nós tão famintos?
Ela tentou separar-se de mim, mas eu não a soltei. Beijei o seu rosto apreensivo e cheio de lágrimas. Lágrimas de felicidade, certamente. Parecia ter apenas vinte anos de idade. E foi com a aparência e a voz de uma garota de vinte aninhos, que ela disse:
- Oh, meu garoto, você é maravilhosamente louco, cintilantemente louco... jubilosamente desvairado. O que vou fazer com você?
O prazer que Dora havia descoberto em mim era realmente um prazer de ser capaz de entregar-se indefinidademente. Ela não se importava que eu me relacionasse com as raparigas todas da Zona, desde que reservasse momentos como aquele só pra ela. Em tais circunstâncias, ela considerava se a real mudança que se processava dentro dela era realmente biológica ou não. Talvez existisse uma crucial e latente relação entre tornar-se idosa e a genérica diretriz que envolvia o ato das relações sexuais. Homens e mulheres não desistem do sexo por terem ficado velhos. Ficam velhos porque desistem do sexo.

Existe apenas uma imoralidade: falta de amor. É certo que eu desfrutava da sexualidade de Doralice assim como de todas as outras mulheres, porém, o mais importante é que eu gostava sinceramente de todas elas.
Como um adolescente maquiavélico que sempre fui, eu gozava o efeito erótico que havia criado na mente de minhas deliciosas raparigas.

Logo dei-me conta de que ainda estava na cama de Dora, bem juntinho dela, da Dora que consegue provar, só com um olhar, que uma mulher quarentona pode ser lascivamente sexual, ou seja, a mulher que eu sempre esperei que ela fosse: SANTA E PECADORA. Não necessariamente nessa ordem... (Extraído do meu livro de memórias inédito, "Raparigas e Cafetinas da Minha Adolescência em Aracaju")

Engano
"Para a maioria das pessoas, eu levo uma vida muito boa. É um engano que eu quero manter por tanto tempo quanto possível". - Wood Allen - cineasta, revista Alfa, edição de julho/2012.

Geleia Geral
... Que Rodrigo Faro é um bom apresentador, não se discute. Mas acontece que, talvez pelo fato de o programa "O Melhor do Brasil" ser muito longo, ele não consegue mais ser criativo. As brincadeiras já não são engraçadas e as imitações que ele insiste em fazer a cada programa são bem pouco convincentes, mesmo a título de caricaturas. Em alguns casos está beirando o ridículo.

... Para compensar o salário milionário que o ex-ator recebe da Record, uma reciclagem se faz necessária. Rodrigo Faro é inteligente e já deve ter percebido que quadros como o "Vai dar Namoro" já chegou a um nível de saturação quase insuportável. Desse jeito "O Melhor do Brasil" vai terminar virando um programa do Ratinho metido a besta. Breguice disfarçada é bem pior do que breguice assumida. Ou não?...

... Os candidatos a prefeito de Aracaju precisam mostrar quais são os seus planos de Governo com relação à Cultura. A criação de uma Lei Municipal de incentivo aos projetos culturais e a construção URGENTE do nosso Teatro Municipal, deveriam ser prioridades inadiáveis. Além, é claro, da revitalização da Funcaju, fazendo com que o órgão volte às suas origens. De forma plena e dinâmica.