Benedito de Figueiredo revela memórias à Comissão Estadual da Verdade

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O secretário Benedito de Figueiredo depõe na Comissão da Verdade
O secretário Benedito de Figueiredo depõe na Comissão da Verdade

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 20/07/2016 às 10:03:00

"Vivíamos na expectativa de como seria o amanhã. Não cheguei a ser torturado fisicamente, mas psicologicamente sim. Essas coisas precisam ser ditas para conscientizar a juventude de que, por pior que pareça um sistema político, a democracia ainda é o melhor regime", disse o secretário de Estado de Governo, Benedito de Figueiredo, ao depor em mais uma sessão de oitivas da Comissão Estadual da Verdade, realizada na manhã desta terça-feira, 19, no auditório do Museu da Gente Sergipana. Também vítima do Regime Militar, ele contou a experiência vivida, iniciando o relato com sua ligação com o movimento estudantil que lutou contra a repressão da época, quando ingressou na faculdade de Direito da Universidade Federal de Sergipe (UFS), em 1966.
Benedito afirmou que, apesar da ligação com amigos do PCB (Partido Comunista Brasileiro), não era filiado, mas um simpatizante. O grupo sergipano do qual fazia parte incluía componentes do movimento estudantil. Ao participar do Congresso da UNE (União Nacional dos Estudantes), em Ibiúna - São Paulo, foi preso junto com os também estudantes sergipanos Antônio Vieira da Costa; Elze Maria; João Augusto Gama, Bosco Rolemberg; José Alves do Nascimento; José Jacob Dias Polito, Laura Maria Tourinho, Wellington Mangueira; Tina Correia e Ancelmo Gois. Na ocasião, eles fizeram greve de fome por três dias, para que pudessem ser soltos, já que foram presos sem nenhuma explicação ou motivação aparente.
"Em Ibiúna, joguei fora a minha carteira de funcionário público. Não queria correr o risco de ser identificado nessa condição. Lá em São Paulo, ficamos presos no presídio Tiradentes. Passamos por humilhações. Os agentes davam chutes e nos agrediam verbalmente", disse Bendito. Aqui em Sergipe, o fato se repetiu. Desta vez, ele e os demais colegas de luta foram levados para o 28º BC - Batalhão de Caçadores, onde ficou preso por 29 dias, durante as festas de final de ano.
"Tive minha casa invadida por policiais sem qualquer mandado de prisão. O coronel Gildasio Barbosa, secretário de Segurança Pública da época, ordenou que essas ações acontecessem. Invadiu as casas de muitos, arbitrariamente. Peguei meus livros, também fornecidos por Wellington [Mangueira], coloquei em uma sacola, fui para a casa da minha avó e enterrei. Em termo de 'material subversivo', nada encontraram. Gama [João Augusto] também escondeu os livros, mas atrás da geladeira. Era com sentimento de terror que vivíamos. Todos nós sabemos a desgraça que foi a revolução de 1964 e a turma de 1966 da faculdade de Direito marcou a história de Sergipe", ressaltou Benedito.
O secretário contou ainda, sobre a sua amizade e admiração pelo companheiro de jornada, Wellington Mangueira. "Estávamos presentes em tudo que dizia respeito à política. Fomos ao Congresso da USES - União Sergipana dos Estudantes Secundaristas, em Lagarto. Lá houve um incidente que marcou ainda mais a minha amizade, admiração e respeito por ele. Ocorreu uma desavença com um rapaz, que, de maneira traiçoeira e covarde, o apunhalou pelas costas. Um momento de trauma. As forças políticas se dividiram e aconteceram diversas brigas ideológicas entre as facções. Terminamos esse congresso em Propriá. Minha participação mais efetiva na política estudantil partiu daí, quando me tornei tesoureiro da Uses".
De acordo com a Comissão da Verdade, a rodada de oitivas de julho é destinada às vítimas que atuaram com mais intensidade no período entre 1964 e 1968. Para o presidente da Comissão, Josué Modesto dos Passos Subrinho, o ano de 1968 foi o ápice das grandes mobilizações, nas quais os militantes eram estudantes secundaristas ou universitários. "O ano terminou com a publicação do Ato Institucional número cinco - AI-5 e, a partir desse momento, algumas entidades políticas radicalizaram, partindo para a luta armada. Os casos mais predominantes em Sergipe passaram a atuar na via política legal, através do MDB (Movimento Democrático Brasileiro), mas tentando solapar as bases de legitimação política do Regime. É um contexto de depoimento interessante, especialmente para a nova geração entender como funciona a construção de um processo democrático dentro de um regime ditatorial", explicou.