Conversa com a presidenta.

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 14/08/2012 às 14:46:00

José Antonio de Oliveira Luz, 51 anos, advogado de Porto Velho (RO) - Moro em Rondônia e vejo a grandeza das obras de hidrelétricas. Já podemos ver aumento de capacidade dessas grandes obras, tanto nas usinas aqui do meu estado quanto das outras obras espalhadas pelo Brasil?

Presidenta Dilma - Sim, José Antonio, os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) em usinas hidrelétricas (UHE) já ampliaram a capacidade de produção de energia renovável no Brasil. Desde o lançamento do PAC, em 2007, entraram em operação 22 usinas hidrelétricas, que ampliaram a capacidade instalada no país em mais de 4 mil MW. Hoje, estão em obras 11 empreendimentos, que somarão 18.702 MW. No primeiro semestre deste ano, foram incorporados ao sistema elétrico brasileiro mais de 500 MW de fonte hidroelétrica, dos quais 265 MW são devidos ao início da operação da UHE Santo Antônio, que fica em seu Estado e que, quando estiver com todas as turbinas funcionando, terá capacidade instalada de 3.150 MW. A UHE de Jirau, por exemplo, que também fica aí em Rondônia, vai gerar 3.750 MW e está com 77% das obras concluídas. Com esses investimentos, José Antônio, impulsionamos o crescimento sustentável e garantimos a oferta de energia limpa e renovável para a população e para as empresas brasileiras.

Otávio Vieira, 51 anos, representante comercial em São Paulo (SP) - Por que o Brasil, apesar de ser um país de dimensões continentais, não investe em ferrovias e hidrovias para passageiros e cargas? Vivemos reféns da indústria automobilística?

Presidenta Dilma - Otávio, nós retomamos, com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), os investimentos em todos os sistemas de transportes brasileiros, inclusive em ferrovias e hidrovias. Nas ferrovias, são mais de 3 mil km de obras de construção e adequação em andamento, em vários empreendimentos, como as ferrovias Norte-Sul, Integração Oeste-Leste, Nova Transnordestina  e Ferronorte. Estão previstos mais de 6,5 mil km de obras de expansão, que ampliarão em mais de 20% a malha ferroviária do país. Na malha hidroviária há investimentos de R$ 2,3 bilhões, em empreendimentos nos rios Paraná, Tietê, Paraguai, São Francisco, Tapajós, Madeira, Parnaíba e Amazonas. Estão em construção 20 terminais hidroviários, outros 22 estão em ação preparatória e há outros nove previstos. Precisamos ampliar nossas ferrovias e hidrovias que, em um país continental como o Brasil, são excelentes alternativas de transporte de passageiros e cargas, mas precisamos também investir em rodovias, aeroportos e portos, pois estes modais se completam. Esta é a orientação de meu governo, Otávio, e por isto investiremos R$ 137,8 bilhões nestas áreas entre 2011 e 2014. A infraestrutura de transporte brasileira precisa ser ampliada e modernizada, porque isto torna o Brasil mais competitivo, estimula a economia, gera empregos e aumenta a qualidade de vida de todos os brasileiros.

Sônia Silvano, 63 anos, dona de casa do Rio de Janeiro (RJ) - Presidenta, ouvi dizer que agora é possível solicitar o CPF pela internet gratuitamente. Todo mundo tem esse direito? Como funciona?

Presidenta Dilma - Sônia, os brasileiros entre 16 e 25 anos que possuem Título de Eleitor, inclusive os que moram no exterior, já podem, sim, emitir gratuitamente o Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) pela internet. A novidade está disponível 24 horas por dia, inclusive nos sábados, domingos e feriados. Por enquanto, exige-se o Título de Eleitor porque é necessário um banco de dados nacional para conferir as informações do solicitante. O limite de 25 anos é também por razão de controle, pois é atípica a inscrição de pessoa acima dessa idade. Para solicitar o CPF pela internet, o cidadão deve buscar a opção na página da Receita Federal (http://www.receita.fazenda.gov.br) e fornecer seus dados. O sistema criará automaticamente o número do cadastro. O contribuinte deve imprimir o comprovante de inscrição e anotar o número do CPF depois que os dados forem validados. Se ele perder essas informações, o número poderá ser recuperado em uma agência da Receita. Além da rapidez e da comodidade, Sônia, outra vantagem desse sistema é ser confiável e seguro. Mas continuam funcionando normalmente os postos tradicionais de atendimento - Correios, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal - para quem não pode ou não deseja usar a internet ou por comodidade por estar próximo à sua residência ou trabalho. A inscrição nesses postos é instantânea, a um custo de R$ 5,70.

Cartas para redacao@jornaldodiase.com.br/ regional.imprensa@presidencia.gov.br