NOTA DA LOJA MAÇÔNICA COTINGUIBA

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 23/07/2016 às 15:44:00

Nos últimos dias a sociedade sergipana foi, mais uma vez, abalada pelo impacto da violência que alcança níveis absurdos, denúncia trágica do clima de insegurança em que vivemos.
Tombaram, assassinados por bandidos, o Delegado da Polícia Civil Ademir da Silva Melo Junior, e o cobrador de ônibus David Jonathan Barbosa.
A violência desenfreada já faz parte da nossa trágica rotina, e o que é ainda mais grave: parece ser admitida quase, como se fosse algo inevitável e sem remédio possível.
Estamos a nos acostumar com a selvageria. Se assim continuarmos, nessa aceitação acomodada de uma realidade inadmissível, correremos o risco de, aos poucos, irmos nos afastando daquele valor essencial: a dignidade humana.
Quando assassinatos ganham grande repercussão, como no caso das mortes do jovem e atuante delegado, e do quase ainda adolescente trabalhador, se mobilizam a sociedade, as instituições, a mídia repercute intensamente a tragédia e a indignação. Depois, como se estivéssemos anestesiados pela sucessão descontrolada dos episódios de violência, tudo se aquieta. Estaríamos incapacitados para o exercício pleno da nossa cidadania diariamente afrontada?
Ao tempo em que pesarosamente leva a fraterna solidariedade aos familiares, amigos e colegas do delegado Ademir, e do cobrador David, a Loja Maçônica Cotinguiba, fiel e atenta aos valores sociais e humanos secularmente cultivados e defendidos pela Instituição Maçônica, conclama aos irmãos, conclama a sociedade sergipana, às autoridades constituídas, para que nos juntemos, fortes e decididos, num mutirão cívico visando formar entre todos nós sergipanos e brasileiros, uma Cultura de Paz, a ser alcançada através da permanente e ampla reação coletiva contra a disseminação e a banalização da violência.
Que nos inspirem, para essa trilha em busca da Paz, a lembrança e a saudade do Delegado de Polícia Ademir da Silva Melo Junior, e do Cobrador David Jonathas Barbosa. VENERÁVEL IBRAHIM SALIM