O CAPIM QUE CRESCE NAS ESCOLAS PÚBLICAS

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 06/08/2016 às 16:55:00

É preciso que, de vez em quando, alguma ação de um governo assolado pela crise, venha a se transformar num momento para que se aproxime mais da coletividade. Foi o que fez o Secretário da Educação Jorge Carvalho ao organizar um evento para assinatura de contratos de reformas em 72 escolas. Dias antes, Jorge acompanhou o governador Jackson Barreto para uma vistoria surpresa que queriam fazer numa escola sobre a qual havia reclamações. Quando lá chegaram viram o capim crescendo, uma cena de descaso e abandono. Na mesma hora Jackson e Jorge deram inicio à limpeza, e foi providenciada a exoneração da diretora omissa. Os alunos gostaram da cena, aplaudiram Jackson e Jorge. Há uma sintonia entre a escola pública e os estudantes, que falam, opinam, participam, e para a manutenção desse elo, Jorge diz que é fundamental a participação da secretaria adjunta, a professora Marieta. Na assinatura dos contratos lá estavam representações das lideranças estudantis, professores, sindicalistas. Diziam os estudantes ao microfone: estamos reconhecendo agora os esforços feitos, mas estamos de olho, vigilantes.
Isso é bom, isso se chama democracia participativa, isso tonifica a sociedade.