Início de um novo ciclo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Ao discursar ontem no ato de filiação ao PMDB, o vice-governador Belivaldo Chagas agradeceu ao governador Jackson Barreto e ao presidente João Augusto Gama pelo convite. Ressaltou que se não ficasse onde estava não queria bem a Sergipe. \"Estou bem no
Ao discursar ontem no ato de filiação ao PMDB, o vice-governador Belivaldo Chagas agradeceu ao governador Jackson Barreto e ao presidente João Augusto Gama pelo convite. Ressaltou que se não ficasse onde estava não queria bem a Sergipe. \"Estou bem no

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 16/08/2016 às 00:07:00

Ao discursar ontem no ato de filiação ao PMDB, o vice-governador Belivaldo Chagas agradeceu ao governador Jackson Barreto e ao presidente João Augusto Gama pelo convite. Ressaltou que se não ficasse onde estava não queria bem a Sergipe. "Estou bem no PMDB. Não tenho cara para virar as costas ao meu estado", disse.  

 Início de um novo ciclo

O vice-governador Belivaldo Chagas se filiou ontem, no final da tarde, ao PMDB em clima de festa. Não faltaram lideranças peemedebistas e faixas para dar as boas vindas ao novo peemedebista ilustre, que deixou recentemente o PSB por problemas de incompatibilidade no partido liderado no estado pelo senador Antônio Carlos Valadares.

A filiação de Belivaldo ao PMDB já era esperada desde o ano passado, quando o seu genro, o advogado Carlos Felizola, deixou o PSB e se filiou ao partido do governador. Felizola tinha a pretensão de ser candidato a prefeito em Simão Dias, mas acabou adiando o projeto político.
A relação política de Belivaldo com Valadares começou a estremecer logo após as eleições de 2014, quando, no segundo turno, o senador levou seu partido a apoiar o tucano Aécio Neves para a presidência da República ao invés de apoiar a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT), seguindo o então aliado

governador eleito Jackson Barreto (PMDB).
O vice-governador admitiu à coluna que sua relação política com o senador começou a "trincar" no segundo turno das eleições de 2014, quando o partido decidiu apoiar Aécio Neves e disse que não acompanharia porque não ia se sentir à vontade de votar no tucano e entender que devia seguir o projeto pelo qual foi eleito. "Achei que era coisa de momento e passaria, mas não passou. Trincou", frisou.
Disse ainda que de lá para cá só ficou próximo do governador, participa dos trabalhos da equipe econômica e quando ele viaja assume o governo sem ter tido qualquer problema. "Não ia deixar esse projeto para abraçar um outro, que fui contra há 2 anos, só para seguir o senador que pensa em 2018. Somente quem saiu do projeto foi o PSB e eu saio do partido na paz e sem nada pessoal contra qualquer membro da legenda".

Agora, no PMDB, Belivaldo começa um novo ciclo e é um dos nomes da legenda para disputar o governo do estado em 2018. Não restam dúvidas que tem a simpatia do governador, ao lado de outros nomes peemedebistas como João Augusto Gama e Zezinho Sobral.


Nas eleições municipais deste ano já ficou acordado que o candidato a governador do bloco liderado por Jackson Barreto será do PMDB. E sendo Belivaldo, ele enfrentará nas urnas o candidato apoiado pelo seu antigo agrupamento liderado por Valadares que - conforme entendimento político no pleito deste ano - deve ser o líder do governo na Câmara, o deputado federal André Moura (PSC), ou o senador Eduardo Amorim (PSC).

Satisfação
Em conversa com a coluna, o governador Jackson Barreto (PMDB) disse que estava muito feliz com a filiação de Belivaldo Chagas no seu partido. Ressaltou a lealdade e a ajuda dele ao governo, principalmente, nas negociações com os sindicatos dos servidores públicos. Admitiu que ele é um nome do PMDB para disputar o governo em 2018.

Mais cedo
Segundo Jackson, a partir de janeiro de 2017 já vai começar a discutir a sucessão estadual. Espera definir o candidato peemedebista a governador o mais cedo possível para que possa trabalhar seu nome, pelo fato das campanhas eleitorais serem hoje mais curtas e de pouco recursos, com a mudança na legislação eleitoral que proíbe doação de pessoa jurídica e estabelece que a campanha seja de apenas 45 dias.

Campanha franciscana
Na concepção do governador, pela falta de dinheiro a campanha eleitoral deste ano já será dos três "S": Saliva, Santinho e Sola [sola de Sapato].
Engajado na
campanha
Ainda sobre as eleições deste ano, Jackson Barreto disse que vai visitar os bairros de Aracaju para pedir votos para o seu candidato a prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB). "Vou gastar muita saliva e sola de sapato", assegurou.

Dor de cotovelo 1
Ontem teve mais uma troca de farpas entre o governador e o senador Valadares. Tudo começou quando Jackson disse no programa de Gilmar Carvalho que as críticas do senador a ele é por "dor de cotovelo" porque não apoia o filho Valadares Filho para prefeito de Aracaju.
 
Dor de cotovelo 2
Rebateu Valadares nas redes sociais: "A dor de cotovelo é de Jackson Barreto que foi obrigado a abortar a candidatura de seu próprio partido pela rejeição popular ao seu governo. Sempre tive respeito aos que ao final da carreira escolhem o lazer, o descanso e as praias caribenhas pra gozar sua merecida aposentadoria. Como o governador já decretou a sua própria aposentadoria não me sinto confortável em dar resposta aos seus ataques. A candidatura de Valadares Filho pelo seu caráter de independência e renovação preocupa e deixa aperreados o governo e seus aliados".
 
Reuniões de
campanha
Com o início da campanha eleitoral a partir de hoje, muitos candidatos a prefeito e vice se reuniram ontem com a coordenação da campanha já para definir agenda e inauguração do comitê eleitoral.
 
No PSB 1
A primeira reunião de coordenação de campanha de Valadares Filho foi realizada ontem na sede do PSB. Participaram o candidato a prefeito, o vice Antônio dos Santos (PSC), o senador Eduardo Amorim (PSC), o ex-deputado Zeca da Silva (PSC), Maurício Pimentel (PSB) e Valdoilson Leite (PSB), além do marqueteiro Jorge Menezes.

No PSB 2
Nessa quinta-feira, 18, já haverá mini-carreata da coligação de Valadares Filho. Na sexta-feira, 19, ocorrerá inauguração do comitê eleitoral na Av. Hermes Fontes.

No PMDB 1
Ontem também foi dia de reunião do candidato Edvaldo Nogueira e da vice Eliane Aquino com a coordenação de campanha e os candidatos a vereador da coligação, na sede do PMDB. Já nesta semana haverá três atos de campanha e inauguração do comitê na Av. Barão de Maruim.
 
No PMDB 2
De Zezinho Sobral, que já coordenou ontem a reunião de campanha: "Começo de briga é empurrão. Eleição é briga. E a partir de amanhã vamos entrar juntos nesta briga. Nesta eleição estamos defendendo um candidato ficha-limpa. Edvaldo tem a sensibilidade para ganhar a eleição e governar Aracaju".
 
Registro de
candidatura
Ontem, último dia para registro de candidaturas e coligações, o assessor jurídico do candidato a prefeito João Alves Filho registrou ata pela manhã no cartório eleitoral da Rua Itabaiana. A coligação, que foi denominada "Aracaju em Boas Mãos", consta seis partidos: DEM/PSDB/PV/PPS/PEN/PHS. Terá o vereador Jailton Santana (PSDB) como candidato a vice-prefeito.
 
Limite de gasto
Como os outros candidatos a prefeito, João Alves declarou um limite máximo de gasto de campanha no 1º turno - no valor estabelecido pela legislação eleitoral para um município com 370 mil eleitores - de R$ 3.763.115,71 e R$ 1.128.934,71 no 2º turno.   
 
Os últimos
Quem também registrou candidaturas ontem foram os candidatos Vera Lúcia (PSTU) e João Tarantela (PMN). Os candidatos Dr. Emerson (Rede), Edvaldo Nogueira (PCdoB), Valadares Filho (PSB) e Sônia Meire (Psol) não deixaram o registro de candidaturas para o último dia.
 
Os primeiros
Como a coluna já informou, Valadares Filho registrou candidaturas da sua coligação no sábado pela manhã, com o nome "Aracaju para Renovar" e constando 14 partidos:  PSB/PSC/PP/PR/PDT/SD/PMB/PRTB/PTB/PROS/PSDC/PPL/PTC/PSL. Já Edvaldo registrou antes com o nome "Pra Aracaju ter Qualidade de Vida" e constando oito partidos: PCdoB/PMDB/PRB/PT/PSD/PTdoB/PTN/PRP. Já a coligação de Sônia Meire foi registrada com o nome "Lutar para transformar Aracaju", com dois partidos: Psol e PCB.
           
No TCE
Na manhã de ontem o secretário Sales Neto (Comunicação) foi até o TCE pedir auditoria nas próprias contas, por conta das denúncias de irregularidades em contratos que foram feitas pelo jornalista André Barros. "Para que não paire dúvidas, eu trouxe os contratos questionados pelo empresário e jornalista. Estou solicitando oficialmente que eles sejam matéria de investigação pelo Tribunal de Contas de Sergipe. Estou entrando com algumas queixas crime contra esse jornalista para que possamos esclarecer também esses fatos na Justiça. Quem não deve, não teme", disse Neto, que entregou a conselheira Susana Azevedo toda a documentação, enfatizando que está encaminhando o mesmo pedido para a Controladoria Geral do Estado e para o Ministéri o Público Estadual.

Concurso público 1
O processo de escolha de diretores de agências reguladoras pode passar a incluir, entre suas etapas, o concurso público, para aferição de qualificação técnica dos candidatos à função. A medida é prevista na PEC 156/2015, que integra a pauta da reunião desta quarta-feira da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ). A iniciativa é do senador licenciado José Serra (PSDB-SP), atual ministro das Relações Exteriores.

Concurso 2
Pelo texto, a regra será aplicada à seleção de diretores de agências federais, estaduais ou municipais, com base em lei a ser elaborada pelo respectivo ente federativo. Depois de passar pelo concurso, o candidato será submetido à aprovação do Legislativo, como ocorre hoje. Em voto favorável, a relatora, Simone Tebet (PMDB-MS), disse que a regra prevista no projeto contribuirá para a profissionalização da gestão pública.

Registro
Em Sergipe, a Agência Reguladora foi implantada no governo Jackson Barreto. O primeiro diretor-presidente foi o ex-prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB). Agora responde pela agência o ex-deputado federal Mendonça Prado.

Veja essa...
O ministro Mendonça Filho (Educação) encontrou um clima hostil na sua vinda ontem à tarde a Sergipe para assinatura de ordem de serviço de R$ 10 milhões para realização de obras no Hospital Universitário da UFS, após pleito do senador Eduardo Amorim (PSC). Organizado pela CUT, não faltaram palavras de ordem e faixas dizendo "Golpistas não são bem-vindos a Sergipe", "Fora Mendonça". O ministro chegou a mandar beijos para os manifestantes. 

Curtas
Convite de Jackson Barreto ao ex-deputado federal Mendonça Prado, ontem, durante ato de filiação de Belivaldo Chagas ao PMDB: "Mendonça Prado, no dia que você quiser fazer uma festa tal qual esta de Belivaldo, pode dizer que faremos a festa".
 
O sábado passado foi de um cidadão comum para o governador Jackson Barreto. Pela manhã foi a um dos shoppings de Aracaju fazer compras, final da tarde assistiu missa e a noite marcou presença no show de José Augusto, Pholhas e Márcio Greyck.
 
Não faltou quem não comentasse sobre o mal estar de autoridades sergipanas em ato com a presença do ministro da Educação para assinatura de ordem de serviço de R$ 10 milhões para realização de obras no Hospital Universitário. É que estavam na mesma mesa o governador Jackson Barreto e os senadores Valadares, Eduardo Amorim e Ricardo Franco.
 
Hoje o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) julga embargo declaratório apresentado pela assessoria jurídica do ex-presidente da Assembleia Luciano Bispo (PMDB), que teve o seu mandato de deputado estadual cassado recentemente.

Luciano esclarece que não teve suas contas como prefeito de Itabaiana rejeitadas pelo TCE nem pelo Ministério Público. "O que teve foi um parecer contrário de um técnico em 2013, que depois o tribunal corrigiu", afirmou, enfatizando que nunca teve suas contas rejeitadas.