Primeiro mutirão de conciliação com ações do BB obteve 70% de acordos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 15/06/2012 às 12:08:00

Durante duas semanas, entre os dias 28 de maio e 06 de junho, o Tribunal de Justiça de Sergipe promoveu, em parceria com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Banco do Brasil (BB), um mutirão de conciliação para análise de ações judiciais em que a instituição bancária demandou ou foi demandada por algum correntista. O resultado, segundo o Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania, foi de 70% de processos conciliados.
Foram realizadas um total de 169 audiências, as quais contaram com a participação dos conciliadores do Centro Judiciário, localizado no Fórum Gumersindo Bessa, dos juízes Dauquíria de Melo Ferreira, Diógenes Barreto e Maria Luíza Mendonça, coordenadores do evento, e dos advogados do BB.
Segundo a juíza Dauquíria de Melo Ferreira, o percentual de acordo foi elevado, visto a reduzida cultura conciliatória das instituições bancárias. "Foi a primeira vez que nós do Judiciário, fomos procurados por um banco do porte do Banco do Brasil com a iniciativa de conciliar processos, numa inédita mudança de postura. Ficamos todos, Judiciário, banco e partes satisfeitos, tanto que já há uma solicitação para que mutirões deste tipo sejam realizados mensalmente".
O Tribunal de Justiça de Sergipe foi o primeiro tribunal em todo o país a realizar um mutirão de conciliação para processos envolvendo instituições bancárias. De acordo com o Juiz Auxiliar do CNJ, Jairo Gilberto Schäfer, que acompanhou as atividades do mutirão, o TJSE foi selecionado devido a sua infraestrutura tecnológia e organizacional. "Sergipe foi escolhido porque é um dos tribunais mais informatizados do Brasil, o que nos facilitou a questão de acesso aos dados para o planejamento desse projeto de conciliação, além da grande organização interna e experiência no âmbito da conciliação".
O advogado Aloísio Freire que representava uma das partes na audiência, elogiou a atuação do TJSE, uma vez que sua cliente conseguiu a indenização que almejava. "O Judiciário de Sergipe está de parabéns pela iniciativa e em especial a eficiente intervenção da conciliadora que foi fundamental na solução do impasse".