Professor Luizinho não sabia da existência de dinheiro sacado por ex-assessor

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 15/08/2012 às 16:56:00

Heloisa Cristaldo
Agência Brasil

Brasília - O advogado Pierpaolo Bottini afirmou ontem, durante sustentação oral em defesa do ex-deputado federal Luiz Carlos da Silva, conhecido como Professor Luizinho, que seu cliente sequer sabia da existência dos R$ 20 mil que é acusado, pelo Ministério Público Federal (MPF), de receber do publicitário Marcos Valério. "Não há nada mais perverso que a condenação de alguém sem prova", disse Bottini.
Professor Luizinho responde pelo crime de lavagem de dinheiro na Ação Penal 470, que está em julgamento no Supremo Tribunal Federal.

O advogado descreveu a ocasião em que José Nilson dos Santos, funcionário do gabinete de Professor Luizinho, sacou R$ 20 mil em agência do Banco Rural para pagar um designer de camisetas. O material foi entregue pelo funcionário a três candidatos a vereador no interior de São Paulo. "Essa é a sofisticada lavagem de dinheiro atribuída a Professor Luizinho", argumentou o defensor.

Segundo Bottini, José Nilson dos Santos, conhecido como "Zé Linguiça", era militante do PT e trabalhava no gabinete de Professor Luizinho na Câmara dos Deputados. O advogado disse que Santos questionou ao ex-deputado federal se haveria dinheiro do PT para as pré-campanhas das eleições de vereadores. Depois dessa conversa, Luizinho ligou para o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares, que liberou o dinheiro para Santos. "Simples telefonema é a participação de Professor Luizinho [no esquema]".

Para o advogado, o telefonema de Professor Luizinho para Delúbio Soares "não foi um pedido, foi uma consulta". Ele disse que o dinheiro seria disponibilizado mesmo sem a ligação, já que Santos era amigo próximo de Delúbio.