Mercado de escritórios aquecido em Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 15/08/2012 às 16:59:00

Com a economia aquecida os lançamentos residenciais cresceram ano após ano na cidade. Agora a grande aposta está nos empreendimentos comerciais, que sugerem um novo olhar sob as necessidades dos trabalhadores. Com infraestrutura totalmente adequada para as atividades profissionais, esses condomínios atendem normas internacionais de segurança e suprem a carência de estacionamento (relação de uma vaga a cada 25m²) com sistema rotativo. São preparados para serviços como praças de alimentação, farmácias, academias, entre outros.

A Colliers Internacional Brasil, líder global em serviços imobiliários para indústria, escritórios, terrenos, shoppings centers, hospitais, instituições de ensino, entre outros, desenvolveu recentemente uma pesquisa que traçou o panorama do setor em Aracaju. Foi elaborado um estudo de mercado, com a finalidade de demonstrar e embasar a atual situação e as tendências futuras do segmento no município.
O balanço constatou que a concentração de salas comerciais está na região central - motivo pelo qual a taxa de vacância média da cidade é de 2,55% - onde quase não existem mais espaços vagos, sendo a maioria em padrões antigos, com mais de 15 anos de construção. A maior parte, 70%, são classificados para a classe C e o restante.

O estudo foi realizado a pedido da incorporadora Cosil e retratou um cenário de escassa oferta e grande demanda de escritórios comerciais, apontando um grande potencial de crescimento na região e consequente valorização desses imóveis."Considerando o padrão construtivo que terá o novo empreendimento Gentil Barbosa Neo Office Jardins, da Cosil, e comparando-o com os edifícios de salas comerciais existentes em Aracaju, a Colliers entende que o empreendimento enquadra-se como classe A", explica Jean Piçarra, gerente comercial e marketing da Cosil.

Também concluiu-se que o perfil do mercado aracajuano de edifícios comerciais é de salas comerciais de até 50m² (60%), e a maior parte dos empreendimentos com salas de 251 a 500m² (16%) pertencem a órgãos públicos. Jéssica Silva, diretora comercial da Cosil, enfatiza que o crescimento do mercado imobiliário de Aracaju estende-se para a região sul até as imediações do bairro dos Jardins, que é um dos mais jovens e o mais nobre, e ao longo do tempo vem se tornando um bairro de uso misto.

Em 1997 foi construído o Shopping Jardins, maior shopping center da cidade e um dos principais impulsionadores do desenvolvimento do bairro. "Por isso, o Jardins é considerado um local com baixa densidade demográfica e continua em franca expansão imobiliária, apresentando uma excelente infraestrutura de comércio e serviços, e de alto poder aquisitivo com visibilidade corporativa e percepção de ser o futuro centro financeiro da cidade, ainda mais por ter apresentado a maior valorização nos últimos três anos", ressalta.

A pesquisa da Colliers também aponta indicadores do mercado de São Paulo, focado nas classes A e A+. Nessas faixas nota-se que o valor de locação aumentou mais do que o dobro em cinco anos, atingindo a menor taxa de vacância do mundo e altos níveis de absorção, principalmente no terceiro trimestre de 2011. Os preços médios pedidos de locação alcançaram R$ 118,5/m²/mês no 4º trimestre de 2011, número 7,2% superior ao período passado e 17,9% superior ao mesmo período do ano anterior.