Inferno astral

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 19/10/2016 às 09:42:00

 

O prefeito João Alves Filho (DEM) deve 
estar vivendo o pior momento da 
sua vida política. Além de não ter conseguido a reeleição, com uma votação pífia de pouco mais de 25 mil votos do eleitorado aracajuano, JAF já perdeu o rumo da gestão e está à deriva.
Além de não ter conseguido realizar obras e melhorar os problemas da capital na questão da saúde e mobilidade urbana, o prefeito não está conseguindo pagar aos servidores públicos municipais antes do dia 20 do mês subsequente e, muito menos, os fornecedores. E o que é pior, não vem pagando auxílio alimentação de servidores de órgãos como Emurb e não repasse há três meses do Ipesaúde que recolhe do funcionalismo.
O resultado de tudo isso é o caos instalado na administração municipal. A cidade está suja, escura e esburacada; os postos municipais de saúde estão funcionando precariamente, pois faltam medicamentos e médicos, que permanecem em greve; e, como se não bastasse, agora começou o problema na educação com a falta de merenda escolar e suspensão do transporte dos alunos, levando a suspensão das aulas.
Em assembleia-geral na última segunda-feira os professores decidiram fazer um ato público hoje, na porta da prefeitura municipal, a partir das 8h30, para cobrar o pagamento do salário de setembro dos servidores ativos e inativos. Além de pedirem resolução para os problemas da falta de merenda escolar, transporte e estrutura nas escolas.
Com um déficit que caminha para R$ 140 milhões, havendo uma dívida de quase R$ 20 milhões somente com o lixo e a redução do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), dificilmente João Alves conseguirá reverter esse cenário trágico até o final de sua gestão em 31 de dezembro deste ano.
Pouco provável que consiga pagar o salário de dezembro dos servidores e, muito menos, o 13º. Até porque desde maio suspendeu o pagamento da primeira parcela do 13° no mês de aniversário do funcionário público.
Com certeza, o final dessa gestão do prefeito João Alves será melancólico, deprimente. Deve passar para a história política de Sergipe como o pior prefeito que Aracaju já teve. 
Não merecia encerrar sua carreira política dessa forma, pela sua história política de ministro do Interior e governador de Sergipe por três mandatos, que foram responsáveis por obras estruturantes na capital e interior que revolucionaram e desenvolveram o estado.
Hoje, com certeza, o prefeito João Alves, cuja administração tem uma rejeição de 65% do aracajuano, não reza nem por um milagre, por saber ser difícil de acontecer, mas para que a sua trágica gestão chegue logo ao final...  Rita 

Rita Oliveira


Inferno astral

O prefeito João Alves Filho (DEM) deve estar vivendo o pior momento da sua vida política. Além de não ter conseguido a reeleição, com uma votação pífia de pouco mais de 25 mil votos do eleitorado aracajuano, JAF já perdeu o rumo da gestão e está à deriva.

Além de não ter conseguido realizar obras e melhorar os problemas da capital na questão da saúde e mobilidade urbana, o prefeito não está conseguindo pagar aos servidores públicos municipais antes do dia 20 do mês subsequente e, muito menos, os fornecedores. E o que é pior, não vem pagando auxílio alimentação de servidores de órgãos como Emurb e não repasse há três meses do Ipesaúde que recolhe do funcionalismo.

O resultado de tudo isso é o caos instalado na administração municipal. A cidade está suja, escura e esburacada; os postos municipais de saúde estão funcionando precariamente, pois faltam medicamentos e médicos, que permanecem em greve; e, como se não bastasse, agora começou o problema na educação com a falta de merenda escolar e suspensão do transporte dos alunos, levando a suspensão das aulas.

Em assembleia-geral na última segunda-feira os professores decidiram fazer um ato público hoje, na porta da prefeitura municipal, a partir das 8h30, para cobrar o pagamento do salário de setembro dos servidores ativos e inativos. Além de pedirem resolução para os problemas da falta de merenda escolar, transporte e estrutura nas escolas.

Com um déficit que caminha para R$ 140 milhões, havendo uma dívida de quase R$ 20 milhões somente com o lixo e a redução do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), dificilmente João Alves conseguirá reverter esse cenário trágico até o final de sua gestão em 31 de dezembro deste ano.

Pouco provável que consiga pagar o salário de dezembro dos servidores e, muito menos, o 13º. Até porque desde maio suspendeu o pagamento da primeira parcela do 13° no mês de aniversário do funcionário público.

Com certeza, o final dessa gestão do prefeito João Alves será melancólico, deprimente. Deve passar para a história política de Sergipe como o pior prefeito que Aracaju já teve. 

Não merecia encerrar sua carreira política dessa forma, pela sua história política de ministro do Interior e governador de Sergipe por três mandatos, que foram responsáveis por obras estruturantes na capital e interior que revolucionaram e desenvolveram o estado.

Hoje, com certeza, o prefeito João Alves, cuja administração tem uma rejeição de 65% do aracajuano, não reza nem por um milagre, por saber ser difícil de acontecer, mas para que a sua trágica gestão chegue logo ao final...


-------------------------------

Bloqueio das contas

Na manhã de ontem dirigentes do Sindipema pediram ao presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Clóvis Barbosa, o bloqueio das contas da Prefeitura de Aracaju de modo a garantir o pagamento dos salários dentro do mês dos servidores públicos. Na oportunidade, entregaram documento com denúncias graves com relação à estrutura de 22 escolas do município.


Emendas do Orçamento 1

Toda a bancada federal de Sergipe se reuniu ontem, às 11h, na Sala das Lideranças no Senado, atendendo convocação do senador Antônio Carlos Valadares (PSB) para discutir e definir as emendas do Orçamento Geral da União do exercício de 2017. Uma nova reunião ficou agendada para hoje, no mesmo horário, para fechar as emendas e definir o coordenador da bancada, que deve permanecer o senador.

Emendas do Orçamento 2

Em conversa com a coluna, o senador Valadares disse que termina nessa quinta-feira, às 20h, o prazo para apresentação de emendas à proposta orçamentária de 2017. Explicou que neste ano, cada parlamentar pode apresentar até 25 emendas de execução obrigatória (impositivas), no valor global de R$ 15,3 milhões.


Emendas do Orçamento 3

Revela que no caso de Sergipe, cada um dos oito deputados federais e dos três senadores tem uma emenda coletiva a apresentar, no total de 15. E que as outras quatro, como de praxe, são propostas pelo governo do estado (duas), pela Prefeitura de Aracaju (uma) e pela Universidade Federal de Sergipe (uma).


Correndo atrás

Vários prefeitos eleitos e reeleitos em 02 de outubro permanecem em Brasília desde a segunda-feira visitando os gabinetes dos deputados e senadores de Sergipe visando recursos para seus municípios das emendas impositivas que cada parlamentar tem direito no valor global de R$ 15,3 milhões. Entre os que estão por lá os prefeitos reeleitos Valmir de Francisquinho (PSC/Itabaiana) e Cristiano Beltrão (PSC/Ilha das Flores), e os prefeitos eleitos Gilson Andrade (PTC/Estância), Lara Moura (PSC/Japaratuba), Valmir Monteiro (PSC/Lagarto), Padre Inaldo (PCdoB/Nossa Senhora do Socorro), Gerana Costa (PT do B/Riachão do Dantas), Junior Barrozo (PSC/Santana do São Francisco) e Iokanaan Santana (PSB/Propriá).


Expectativa

A prefeita eleita de Riachão do Dantas revela que visita os gabinetes dos deputados federais e senadores sergipanos em busca de recursos para as áreas de infraestrutura, educação e saúde pública, que considera as mais carentes no seu município. Espera, com os recursos que possa conseguir mediante o desequilíbrio das contas do município, dar mais fluidez à sua administração.


No Senado

Segundo o senador Eduardo Amorim (PSC), cerca de 30 prefeitos eleitos e reeleitos estiveram no Senado Federal acompanhando emendas parlamentares destinadas aos municípios e para propor novos projetos, principalmente, na área de infraestrutura e equipamentos que atendam com qualidade à população sergipana. "Nosso gabinete é um instrumento de apoio presente no cotidiano de trabalho do gestor", disse o parlamentar.


PEC do Teto 1 

Na sexta-feira pela manhã, 21, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/SE) marcou reunião com a bancada federal de Sergipe para discutir a polêmica PEC 241, do Governo Federal, que institui um Teto dos Gastos Públicos. A OAB de Sergipe e a Igreja são contrárias à PEC do Teto e querem iniciar um debate sobre isso com a bancada.


PEC do Teto 2

A PEC 241 já foi aprovada em primeira votação na Câmara dos Deputados com os votos favoráveis de cinco dos oito deputados federais de Sergipe. Votaram a favor: André Moura (PSC), Laércio Oliveira (SD), Adelson Barreto (PR), Fábio Reis (PMDB) e Fábio Mitidieri (PSD). Votaram contrários Bosco Costa (PROS) e João Daniel (PT). Jony Marcos (PRB) não votou.


Arregaçando as mangas

A partir desta quarta-feira o governador Jackson Barreto (PMDB) se engaja na campanha de Edvaldo Nogueira (PCdoB) nesse segundo turno das eleições municipais em Aracaju. Irá para a periferia da cidade reforçar o pedido de votos ao seu candidato.


Definição de agenda e estratégia

Jackson, inclusive, participou ontem de reunião de coordenação da campanha de Edvaldo Nogueira, na sede do PMDB. Ela começou no início da noite.


Ciclo Urbano 1

Edvaldo Nogueira assinou ontem uma carta de intenções da ONG Ciclo Urbano. A carta possui propostas de intenções de execução de vários projetos ligados à mobilidade urbana e de direito à cidade. Ficou acertada também uma ação conjunta a ser feita ainda esta semana com o candidato, que só parou de andar de bicicleta e correr regularmente por causa da campanha. 


Ciclo Urbano 2

No encontro com os membros da ONG, que contou com a presença da vereadora Lucimara Passos (PC do B), Edvaldo destacou o compromisso histórico que tem com os ciclistas, "não só pelo legado de ciclovias da cidade, mas como ciclista que sou e sei dos problemas que corremos". "Precisamos fazer um trabalho também de educação no trânsito, para que todos os modais se respeitem. Sei como é difícil andar de bike por aí e tomar buzinada ou ver os motoristas 'tirando fino' da gente. Bicicleta não é só lazer, mas um meio de transporte e de se manter saudável", afirmou. 


------------------------------------------------------------------------------------

Toda a bancada federal de Sergipe compareceu ontem à reunião para discutir e definir as emendas coletivas e individuais do Orçamento Geral da União do exercício de 2017, sob a coordenação do senador Valadares (PSB).

Segundo Valadares, na nova reunião de hoje, às 11h, os deputados vão definir quais as duas emendas das 15 emendas de bancada que serão impositivas. Acredita que a emenda da UFS não deve ser impositiva pelo fato de ser mais fácil conseguir recursos para a universidade, através do Ministério da Educação.

Revelou o senador que o Governo do Estado, que tem acordo para apresentar duas emendas, encaminhou entre seis e oito. É provável que os deputados da base governista acatem algumas dessas emendas encaminhadas pelo governo Jackson Barreto.  

------------------------------------------------------------------------------------


Veja essa...

Do deputado federal e presidente estadual do PSD, Fábio Mitidieri, em desabafo nas redes sociais: "Tem gente que é assim: está mal na pesquisa, fica humilde. Se está bem, mostra sua face. A arrogância precede a ruína e a soberba, a queda".


Curtas

O Governo do Estado já foi notificado da decisão do Tribunal de Justiça para que pague os salários dos servidores públicos dentro do mês. O Poder Executivo, através da Procuradoria Geral do Estado (PGE), deve recorrer da decisão.


Já chegou na Assembleia Legislativa a Lei Orçamentária do exercício de 2017, que ainda não foi lido em plenário. O orçamento do estado neste ano de 2016 foi em torno de R$ 8 bilhões, que foi 3,9% menor que o do ano passado.


Na agenda de hoje de Valadares Filho consta, às 6h30, panfletagem na Av. Augusto Franco com Nestor Sampaio; às 8h, entrevista no Programa Gente da Gente com o Jornalista Gabriel Damasio; às 15h, caminhada no Centro da Cidade; às 18h, no Cinform Convida com editor de Política Anderson Christian; e às 18h30, mini carreata no Bairro 18 do Forte.


O candidato Edvaldo Nogueira não está divulgando agenda, mas todos os dias está nas ruas fazendo panfletagens, caminhadas e mini carreatas nos bairros da capital.


 

Edvaldo prestigiou ontem o café da manhã realizado pelo Sindicato dos Médicos em comemoração ao dia da categoria. Na oportunidade, o candidato foi recepcionado pelos profissionais e os parabenizou pela data. Ele reafirmou que a Saúde Pública será prioridade na sua gestão, caso eleito.