Suspeito morto em assalto era foragido de Glória

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 19/10/2016 às 09:50:00

 

A polícia confirmou ontem que o homem baleado e morto na tarde desta segunda-feira, durante o assalto contra um salão de beleza no bairro Jardins (zona sul de Aracaju), trata-se de Williams Aranha dos Santos, 31 anos, um dos principais detentos que fugiram do Presídio Regional Senador Leite Neto (Preslen), em Nossa Senhora da Glória (Sertão), no último dia 8. Aranha cumpria pena no Preslen, de onde fugiu com outros 38 detentos na madrugada do dia 8, após passar por um túnel que já tinha sido escavado em uma fuga anterior. De acordo com a Polícia Militar, Williams participou do assalto ao salão com outros dois comparsas, que acabaram presos depois de reagir à chegada dos soldados e provocarem um intenso tiroteio. 
O foragido foi baleado e internado no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), onde morreu no final da mesma tarde. O corpo foi liberado no começo da madrugada pelo Instituto Médico Legal (IML). Ainda segundo a polícia, Aranha estava armado com uma pistola 380 quando se envolveu no confronto. O caso foi registrado na 1ª Delegacia Metropolitana (1ª DM), que apura envolvimento dele e dos dois comparsas em outros assaltos na região do Jardins. Fontes policiais confirmam que Aranha já foi preso outras vezes por envolvimento com assaltos e homicídios, principalmente na zona oeste da capital. 
Em dezembro de 2014, ele foi condenado a 25 anos de prisão pelo assassinato do padeiro Jailson Alves de Souza, em 27 de abril de 2012, na Avenida Santa Gleide, bairro São Carlos (zona oeste de Aracaju). Segundo a denúncia do Ministério Público, o réu e outros três homens roubaram a moto do padeiro e atacaram a vítima quando a mesma, acompanhada do sobrinho, tentou recuperar o veículo.O crime é apontado como motivo da 'Chacina do Huse', ocorrida na mesma noite, quando quatro parentes de Jailson, incluindo dois policiais militares, mataram três suspeitos baleados que aguardavam atendimento dentro do pronto-socorro do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), no Capucho. Dois dos mortos tiveram participação comprovada na morte do padeiro. (Gabriel Damásio)

A polícia confirmou ontem que o homem baleado e morto na tarde desta segunda-feira, durante o assalto contra um salão de beleza no bairro Jardins (zona sul de Aracaju), trata-se de Williams Aranha dos Santos, 31 anos, um dos principais detentos que fugiram do Presídio Regional Senador Leite Neto (Preslen), em Nossa Senhora da Glória (Sertão), no último dia 8. Aranha cumpria pena no Preslen, de onde fugiu com outros 38 detentos na madrugada do dia 8, após passar por um túnel que já tinha sido escavado em uma fuga anterior. De acordo com a Polícia Militar, Williams participou do assalto ao salão com outros dois comparsas, que acabaram presos depois de reagir à chegada dos soldados e provocarem um intenso tiroteio. 

O foragido foi baleado e internado no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), onde morreu no final da mesma tarde. O corpo foi liberado no começo da madrugada pelo Instituto Médico Legal (IML). Ainda segundo a polícia, Aranha estava armado com uma pistola 380 quando se envolveu no confronto. O caso foi registrado na 1ª Delegacia Metropolitana (1ª DM), que apura envolvimento dele e dos dois comparsas em outros assaltos na região do Jardins. Fontes policiais confirmam que Aranha já foi preso outras vezes por envolvimento com assaltos e homicídios, principalmente na zona oeste da capital. 

Em dezembro de 2014, ele foi condenado a 25 anos de prisão pelo assassinato do padeiro Jailson Alves de Souza, em 27 de abril de 2012, na Avenida Santa Gleide, bairro São Carlos (zona oeste de Aracaju). Segundo a denúncia do Ministério Público, o réu e outros três homens roubaram a moto do padeiro e atacaram a vítima quando a mesma, acompanhada do sobrinho, tentou recuperar o veículo.O crime é apontado como motivo da 'Chacina do Huse', ocorrida na mesma noite, quando quatro parentes de Jailson, incluindo dois policiais militares, mataram três suspeitos baleados que aguardavam atendimento dentro do pronto-socorro do Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), no Capucho. Dois dos mortos tiveram participação comprovada na morte do padeiro. (Gabriel Damásio)