Quadrilha presa em PE fraudou saques do FGTS em Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 20/10/2016 às 09:43:00

 

Uma quadrilha desarticulada ontem pela Polícia Federal pode ter executado um resgate fraudulento de quantias do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), envolvendo pessoas e até 13 empresas de Sergipe, Pernambuco e Maranhão. O caso foi revelado com a deflagração da 'Operação Demara', que cumpriu quatro mandados de prisão preventiva e outros seis de busca e apreensão nas cidades de Recife (PE), Caruaru (PE) e São José dos Campos (SP). Não houve buscas em Sergipe, mas alguns processos do FGTS tramitados aqui no Estado, junto à Caixa Econômica Federal, serão investigados. 
De acordo com a PF pernambucana, a investigação começou em 2015, quando foi descoberto um grande esquema de saques irregulares de FGTS. Os principais integrantes do grupo arregimentavam pessoas em diversos estados, incluindo Sergipe, para realizar saques ilegais em nome de terceiros, mediante o uso de documentos falsos e informações indevidas enviadas à Caixa por meio do aplicativo Web do Sistema Conectividade Social.De acordo com as apurações, a organização tentou resgatar mais de R$ 3 milhões de valores indevidos de FGTS até o momento, com a confirmação de um prejuízo financeiro estimado em mais de R$ 800 mil aos cofres públicos.
O homem apontado como líder da quadrilha foi preso no Aeroporto Internacional dos Guararapes, em Recife, enquanto voltava de São José dos Campos. Os acusados responderão pelos crimes de associação criminosa e estelionato qualificado cometido em detrimento de entidade de direito público. Caso sejam condenados, as penas somadas podem chegar a 20 anos de reclusão. A Caixa informou que os usuários do FGTS não serão prejudicados e terão seus valores ressarcidos, em se comprovando a ilegalidade dos saques efetuados. (com informações da PF e da Rádio Jornal/PE)

Uma quadrilha desarticulada ontem pela Polícia Federal pode ter executado um resgate fraudulento de quantias do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), envolvendo pessoas e até 13 empresas de Sergipe, Pernambuco e Maranhão. O caso foi revelado com a deflagração da 'Operação Demara', que cumpriu quatro mandados de prisão preventiva e outros seis de busca e apreensão nas cidades de Recife (PE), Caruaru (PE) e São José dos Campos (SP). Não houve buscas em Sergipe, mas alguns processos do FGTS tramitados aqui no Estado, junto à Caixa Econômica Federal, serão investigados. 

De acordo com a PF pernambucana, a investigação começou em 2015, quando foi descoberto um grande esquema de saques irregulares de FGTS. Os principais integrantes do grupo arregimentavam pessoas em diversos estados, incluindo Sergipe, para realizar saques ilegais em nome de terceiros, mediante o uso de documentos falsos e informações indevidas enviadas à Caixa por meio do aplicativo Web do Sistema Conectividade Social.De acordo com as apurações, a organização tentou resgatar mais de R$ 3 milhões de valores indevidos de FGTS até o momento, com a confirmação de um prejuízo financeiro estimado em mais de R$ 800 mil aos cofres públicos.

O homem apontado como líder da quadrilha foi preso no Aeroporto Internacional dos Guararapes, em Recife, enquanto voltava de São José dos Campos. Os acusados responderão pelos crimes de associação criminosa e estelionato qualificado cometido em detrimento de entidade de direito público. Caso sejam condenados, as penas somadas podem chegar a 20 anos de reclusão. A Caixa informou que os usuários do FGTS não serão prejudicados e terão seus valores ressarcidos, em se comprovando a ilegalidade dos saques efetuados. (com informações da PF e da Rádio Jornal/PE).