Prolongamento da seca no sertão preocupa Defesa Civil

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 21/10/2016 às 09:24:00

 

Milton Alves Júnior
miltonalvesjunior@jornaldodiase.com.br
A falta de chuva no ser
tão sergipano tem 
contribuído para prejudicar a produção agrícola e pecuária de centenas de famílias. Na tentativa de minimizar estas perdas, a Defesa Civil Estadual tem intensificado o trabalho de monitoramento, assessoria e avaliação dos problemas junto às prefeituras e demais órgãos públicos que estudam o estado de emergência já deflagrado por 18 municípios. Além da escassez de água para garantir o plantio natural de frutas e hortaliças, por exemplo, as pessoas já começam a encontrar dificuldades para consumo próprio. O processo de distribuição de água potável com o auxílio de caminhões pipa foi repassado para o Governo Federal.
A Operação Pipa, antes realizada pela Defesa Civil, agora é promovida pelo Exército. Já o órgão estadual fica responsável, também, pela criação de poços artesianos. No final da manhã de ontem o coronel Erivaldo Mendes destacou o trabalho promovido pelos profissionais da DC. "Essas avaliações têm sido realizadas de forma constante e diretamente com as prefeituras e órgãos como a Companhia de Desenvolvimento e Irrigação de Sergipe (Cohidro). A proposta é dividir as funções e atender a maior quantidade de cidades possível durante este período crítico vivenciado pelos sergipanos", declarou. Esta semana, mais três municípios sergipanos tiveram a situação de emergência compreendida pelo Governo Federal.
Esse reconhecimento foi destinado às cidades de Cedro de São João, Telha e Propriá, que, há 15 dias já haviam encaminhado um dossiê esclarecendo os problemas enfrentados pela população. No mesmo documento apresentado pelo Ministério da Integração Nacional a estiagem prolongada também foi reconhecida nas cidades de: Feira de Santana, Paratinga, Saúde e Utinga (BA); Fundão e Mimoso do Sul (ES); Timon (MA); Engenheiro Navarro e Vargem Grande do Rio Pardo (MG); e Paranã (TO).
Até o último mês de setembro, o Exército em Sergipe atendia a 11 municípios com verbas públicas destinadas à Operação Carro-Pipa: Canindé do São Francisco, Feira Nova, Frei Paulo, Monte Alegre de Sergipe, Gararu, Nossa Senhora Aparecida, Pinhão, Poço Redondo, Nossa Senhora da Glória, Tobias Barreto e Porto da Folha. Ao todo, cera de 32.500 pessoas foram atendidas em um dos 979 pontos de abastecimento cadastrados pela corporação. Para atender a esta demanda foram necessários 48 pipeiros e 19.228,62m³ de água.

Milton Alves Júnior

miltonalvesjunior@jornaldodiase.com.br


A falta de chuva no sertão sergipano tem contribuído para prejudicar a produção agrícola e pecuária de centenas de famílias. Na tentativa de minimizar estas perdas, a Defesa Civil Estadual tem intensificado o trabalho de monitoramento, assessoria e avaliação dos problemas junto às prefeituras e demais órgãos públicos que estudam o estado de emergência já deflagrado por 18 municípios. Além da escassez de água para garantir o plantio natural de frutas e hortaliças, por exemplo, as pessoas já começam a encontrar dificuldades para consumo próprio. O processo de distribuição de água potável com o auxílio de caminhões pipa foi repassado para o Governo Federal.

A Operação Pipa, antes realizada pela Defesa Civil, agora é promovida pelo Exército. Já o órgão estadual fica responsável, também, pela criação de poços artesianos. No final da manhã de ontem o coronel Erivaldo Mendes destacou o trabalho promovido pelos profissionais da DC. "Essas avaliações têm sido realizadas de forma constante e diretamente com as prefeituras e órgãos como a Companhia de Desenvolvimento e Irrigação de Sergipe (Cohidro). A proposta é dividir as funções e atender a maior quantidade de cidades possível durante este período crítico vivenciado pelos sergipanos", declarou. Esta semana, mais três municípios sergipanos tiveram a situação de emergência compreendida pelo Governo Federal.

Esse reconhecimento foi destinado às cidades de Cedro de São João, Telha e Propriá, que, há 15 dias já haviam encaminhado um dossiê esclarecendo os problemas enfrentados pela população. No mesmo documento apresentado pelo Ministério da Integração Nacional a estiagem prolongada também foi reconhecida nas cidades de: Feira de Santana, Paratinga, Saúde e Utinga (BA); Fundão e Mimoso do Sul (ES); Timon (MA); Engenheiro Navarro e Vargem Grande do Rio Pardo (MG); e Paranã (TO).

Até o último mês de setembro, o Exército em Sergipe atendia a 11 municípios com verbas públicas destinadas à Operação Carro-Pipa: Canindé do São Francisco, Feira Nova, Frei Paulo, Monte Alegre de Sergipe, Gararu, Nossa Senhora Aparecida, Pinhão, Poço Redondo, Nossa Senhora da Glória, Tobias Barreto e Porto da Folha. Ao todo, cera de 32.500 pessoas foram atendidas em um dos 979 pontos de abastecimento cadastrados pela corporação. Para atender a esta demanda foram necessários 48 pipeiros e 19.228,62m³ de água.