Aumento dos roubos faz SSP recriar a Derof

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 21/10/2016 às 10:07:00

 

A disparada dos casos de assaltos e arrastões à mão armada na Grande Aracaju, que vem sendo sentida desde o final do ano passado, fez a Secretaria da Segurança Pública (SSP) reativar a Delegacia de Roubos e Furtos (Derof), que já foi uma das principais unidades da Polícia Civil, principalmente nas décadas de 1980 e 1990, e deixou de funcionar no começo dos anos 2000, com a criação do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope). A Derof foi recriada há cerca de 15 dias pela Delegacia Geral de Polícia, com o status de Departamento, e já instaurou 17 inquéritos para apurar a ação de quadrilhas que assaltaram casas comerciais por todo o mês passado, em vários pontos da capital. 
Ontem, a delegada Juliana Alcoforado, responsável pelo novo Derof, informou que todos os inquéritos já foram praticamente concluídos e resultaram na prisão de vários acusados de envolvimento nos roubos. "Somente esta semana sete pessoas foram presas responsáveis por invasões em salões de beleza, pizzarias, lanchonetes e clínicas de saúde. Delas, quatro efetivamente cometeram o roubo, as outras três foram presas pelo crime de receptação - receber os produtos que foram roubados -, prática que será coibida duramente pela Derof, já que ela estimula a realização do crime", ressalta.
Juliana não citou o nome dos estabelecimentos, a pedido dos empresários, mas confirmou a resolução de assaltos que ganharam destaque após a divulgação de imagens dos circuitos internos de TV dos estabelecimentos, devidamente analisadas pela polícia. Um dos casos foi a série de quatro assaltos a pizzarias e lanchonetes do bairro Farolândia (zona sul), invadidas em apenas uma noite por pelo menos quatro assaltantes. Um dos acusados, Wallington Luís Santos Andrade, 19 anos, foi preso, e outro suspeito, Rafael Machado Lima, 21, foi identificado e está foragido. Outro caso se refere a assaltos em clínicas do bairro São José e motivou a prisão deAbel Gomes Júnior, 28 anos, detido na Piabeta, em Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju), após a conclusão do respectivo inquérito. 
A polícia também chegou a Lúcio Silva Calazans Júnior, 19, preso no Almirante Tamandaré (zona oeste) e acusado de roubar pessoas em um salão de beleza, no último dia 8 de outubro.O único preso em flagrante foi Daniel dos Santos, 21, encontrado com objetos oriundos dos roubos e autuado pelo crime de receptação. E na manhã de ontem, foi preso Lenílson da Silva Santos, 21, acusado pela invasão a uma loja de informática na avenida Hermes Fontes, bairro Grageru (zona sul), de onde levaram vários aparelhos expostos no estabelecimento para venda. O Derof procura por outros dois acusados: Daniel Santiago dos Santos, 20, e Douglas César da Silva Santos, 23. Todas as prisões foram decretadas pelo Judiciário, após investigações da Derof e análise de sistema de câmeras dos estabelecimentos. 
O delegado-geral da Polícia Civil, Alessandro Vieira, considera que a volta do Derof é uma "decisão acertada", pois corrige uma falha estrutural do órgão e permite o combate direto a uma faixa intermediária de crimes do gênero. "O tipo criminal 'arrastão' vem crescendo na Grande Aracaju, precisávamos de uma unidade que concentrasse as investigações, pois anteriormente elas estavam divididas entre as delegacias metropolitanas e o crime organizado, já investigado pelo Cope", destaca ele, esclarecendo ainda que a nova unidade não vai investigar todo tipo de roubo ou furto, mas "vai pegar os crimes praticados por grupos que estão se organizando e saindo as ruas para fazer seguidos assaltos com grande risco para a comunidade".

A disparada dos casos de assaltos e arrastões à mão armada na Grande Aracaju, que vem sendo sentida desde o final do ano passado, fez a Secretaria da Segurança Pública (SSP) reativar a Delegacia de Roubos e Furtos (Derof), que já foi uma das principais unidades da Polícia Civil, principalmente nas décadas de 1980 e 1990, e deixou de funcionar no começo dos anos 2000, com a criação do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope). A Derof foi recriada há cerca de 15 dias pela Delegacia Geral de Polícia, com o status de Departamento, e já instaurou 17 inquéritos para apurar a ação de quadrilhas que assaltaram casas comerciais por todo o mês passado, em vários pontos da capital. 

Ontem, a delegada Juliana Alcoforado, responsável pelo novo Derof, informou que todos os inquéritos já foram praticamente concluídos e resultaram na prisão de vários acusados de envolvimento nos roubos. "Somente esta semana sete pessoas foram presas responsáveis por invasões em salões de beleza, pizzarias, lanchonetes e clínicas de saúde. Delas, quatro efetivamente cometeram o roubo, as outras três foram presas pelo crime de receptação - receber os produtos que foram roubados -, prática que será coibida duramente pela Derof, já que ela estimula a realização do crime", ressalta.

Juliana não citou o nome dos estabelecimentos, a pedido dos empresários, mas confirmou a resolução de assaltos que ganharam destaque após a divulgação de imagens dos circuitos internos de TV dos estabelecimentos, devidamente analisadas pela polícia. Um dos casos foi a série de quatro assaltos a pizzarias e lanchonetes do bairro Farolândia (zona sul), invadidas em apenas uma noite por pelo menos quatro assaltantes. Um dos acusados, Wallington Luís Santos Andrade, 19 anos, foi preso, e outro suspeito, Rafael Machado Lima, 21, foi identificado e está foragido. Outro caso se refere a assaltos em clínicas do bairro São José e motivou a prisão deAbel Gomes Júnior, 28 anos, detido na Piabeta, em Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju), após a conclusão do respectivo inquérito. 

A polícia também chegou a Lúcio Silva Calazans Júnior, 19, preso no Almirante Tamandaré (zona oeste) e acusado de roubar pessoas em um salão de beleza, no último dia 8 de outubro.O único preso em flagrante foi Daniel dos Santos, 21, encontrado com objetos oriundos dos roubos e autuado pelo crime de receptação. E na manhã de ontem, foi preso Lenílson da Silva Santos, 21, acusado pela invasão a uma loja de informática na avenida Hermes Fontes, bairro Grageru (zona sul), de onde levaram vários aparelhos expostos no estabelecimento para venda. O Derof procura por outros dois acusados: Daniel Santiago dos Santos, 20, e Douglas César da Silva Santos, 23. Todas as prisões foram decretadas pelo Judiciário, após investigações da Derof e análise de sistema de câmeras dos estabelecimentos. 

O delegado-geral da Polícia Civil, Alessandro Vieira, considera que a volta do Derof é uma "decisão acertada", pois corrige uma falha estrutural do órgão e permite o combate direto a uma faixa intermediária de crimes do gênero. "O tipo criminal 'arrastão' vem crescendo na Grande Aracaju, precisávamos de uma unidade que concentrasse as investigações, pois anteriormente elas estavam divididas entre as delegacias metropolitanas e o crime organizado, já investigado pelo Cope", destaca ele, esclarecendo ainda que a nova unidade não vai investigar todo tipo de roubo ou furto, mas "vai pegar os crimes praticados por grupos que estão se organizando e saindo as ruas para fazer seguidos assaltos com grande risco para a comunidade".