Secretários devem prestar informações sobre uso dos R$ 567 milhões do Proinveste

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 26/10/2016 às 10:08:00

A deputada Maria Mendonça (PP) solicitou através de Requerimento que os secretários estaduais Valmor Barbosa e Jeferson Passos, responsáveis pelas Secretarias da Infraestrutura e Fazenda, respectivamente, encaminhem a Assembleia Legislativa, relatório detalhado sobre o uso dos R$ 567 milhões do Proinveste, cujo projeto foi aprovado em maio de 2013 pela unanimidade dos deputados.

No documento a ser encaminhado pelos auxiliares do governador Jackson Barreto (PMDB), conforme solicitou a deputada, devem constar a lista de obras acabadas, com os respectivos valores aplicados; as obras iniciadas e não concluídas, com a devida justificação; o cronograma das que estão em andamento ou a ser iniciadas, com seus devidos custos; saldo em conta, etc. “Passados mais de três anos e meio, faz-se necessário um esclarecimento aos parlamentares e à sociedade sobre como estão sendo aplicados esses recursos”, argumentou Maria, que protocolou ontem um Requerimento junto à mesa diretora da Assembleia Legislativa, com esse propósito.

De acordo com a deputada, apesar do tempo, pouca coisa foi executada. Das 30 obras estruturantes previstas no Projeto encaminhado pelo Governo, quando da aprovação do Proinveste, apenas quatro pequenas foram realizadas. “E as demais? Qual é a previsão? E os recursos? É preciso que tudo seja devidamente esclarecido, pois não é justo que por inaptidão do Governo a população continue pagando uma dívida que não tem lhe garantido melhorias”, destacou Maria Mendonça, em pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa, ressaltando que “não é possível continuar aguardando a “boa” vontade de um administrador que não quer fazer acontecer o devido desenvolvimento de Sergipe”.

De acordo com a deputada, “por descompromisso e falta de planejamento, o Estado está sendo levado ao caos absoluto e o Governo não reage, não mostra a necessidade de fazer valer o direito do cidadão sergipano que paga os seus impostos e que espera que o gestor de plantão trabalhe para um Estado eficiente e eficaz”. Para ela, “o povo está pedindo clemência, pois já não aguenta continuar pagando pelo desinteresse do Governo para com o Estado e para com a gestão pública”.