Sergipe tem 124 casos de Microcefalia já confirmados

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/10/2016 às 08:59:00

O Informe Epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), através do Núcleo Estratégico (Nest/SES), mostra que Sergipe já possui 268 casos notificados de Microcefalia. Os números são contabilizados desde que a notificação da má-formação congênita tornou-se compulsória, tornando obrigatório que todas as unidades informem, dentro de um prazo de 24 horas, a identificação de qualquer caso suspeito.   

Em relação ao boletim anterior, houve o registro de um novo caso, ocorrido no município de Poço Verde, no Centro Sul do Estado. O Sistema de Registro de Eventos em Saúde Pública - RESP/CIEVS/DVS mostra, ainda, que os casos notificados estão distribuídos em 56 cidades sergipanas, sendo que a região de Aracaju aparece com maior número de casos (98), seguida por Nossa Senhora do Socorro (43), Estância (37) e Itabaiana (28).

"Do total de casos notificados, 124 já foram confirmados, através de um minucioso estudo que a equipe da Secretaria vem realizando desde o início. Outros 83 já foram descartados e 61 continuam em processo de investigação", detalha a gerente do Núcleo de Doenças Transmissíveis da SES, Mércia Feitosa, que é referência técnica sobre o assunto. Ainda segundo ela, foram notificados 13 óbitos, sendo que seis já foram confirmados, um descartado e outros seis permanecem sendo investigados.

A SES orienta que os Municípios intensifiquem as ações de notificação e investigação dos casos suspeitos, identificando todas as gestantes da região e averiguando aquelas que foram acometidas por doenças exantemáticas (que se manifestam na pele). Essas, inclusive, devem ter prioridade na realização de exames de ultrassonografia.

"É importante, também, que sejam implantadas as Salas Municipais de Situação para a Mobilização, Prevenção e Combate ao Vetor, visando à intensificação de ações voltadas ao Aedes aegypti, causador do Zika Vírus e que está comprovadamente associado ao aumento no número de casos de Microcefalia", ressalta a coordenadora da Sala Estadual, Tereza Cristina Maynard.

Os Municípios devem enviar o quantitativo de visitas aos imóveis, alimentando os Sistemas de Informação, assim como realizar o Levantamento de Índice de Infestação e desenvolver mobilizações intersetoriais, envolvendo a população. Essas informações devem ser encaminhadas através do e-mail nest.ses@saude.se.gov.br.

"O combate ao mosquito não pode parar e precisa ser intensificado nesse período de maior vulnerabilidade, onde altas temperaturas e chuvas favorecem a proliferação do mosquito transmissor da Dengue, Chikungunya e Zika Vírus. Esse acompanhamento é essencial para a elaboração das nossas estratégias", enfatizaa coordenadora.