Protesto de estudantes mantém três escolas ocupadas em Sergipe

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 29/10/2016 às 09:35:00

Estudantes da rede pública continuam ocupando três escolasem protesto contra a reforma do ensino médio, além do Projeto de Emenda Constitucional - PEC 241/2016 que pretende congelar os investimentos federais nos serviços sociais até o ano de 2036. Aprovado na Câmara dos Deputados, o projeto agora está no Senado Federal para apreciação. A proposta dos estudantes é convencer os três senadores sergipanos a votarem contra a PEC.

Desde a última sexta-feira, 21, os manifestantes ocupam as dependências do Colégio Estadual Felisbelo Freire, situado na cidade de Itaporanga D’Ajuda. Já na segunda-feira, 24, os alunos decidiram ocupar o Colégio Estadual Carlos Firpo, na Barra dos Coqueiros. Na terça-feira, 25, foi a vez da Didática I da Universidade Federal de Sergipe (UFS), em São Cristóvão, ser invadida pelos movimentos estudantis. Segundo os manifestantes, a proposta é permanecer mobilizados e ampliando o movimento até os parlamentares sergipanos se comprometam a atende os anseios do povo e colaborar com a queda da polêmica PEC 241.

Além dos estudantes, ao longo das últimas semanas o Estado de Sergipe tem registrado ampliação no índice de atos públicos que se mostram contrários à PEC 241. Na luta pela não aprovação também estão representantes da igreja Católica, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB / Seccional SE), centrais sindicais, o setor comercial e políticos que fazem oposição à atual administração do Governo Federal. Paralelo à luta contra estes projetos, os alunos utilizam o movimento para protestar contra a atual condição do ensino público ministrado nas escolas sergipanas. As queixas também atingem as condições estruturais das unidades.

"Temos poucos professores; as escolas estão praticamente caindo aos pedaços como é a de Itaporanga, e agora, sem sequer dialogar com nós estudantes e os professores, o presidente pretende mudar a forma de ensino, e pior, reduzir os investimentos no ensino público e no Sistema Único de Saúde. Infelizmente alguns deputados sergipanos foram a favor, espero que os senadores não sigam o mesmo caminho e defendam os nossos ideais", afirmou o universitário Lucas Ramos. As ocupações seguem por tempo indeterminado, e devem registrar novas adesões já na primeira quinzena de novembro.

Conforme destacado pela aluna Mikaella Alves Fontes, estudantes de vários municípios estão buscando informações junto aos grêmios já envolvidos nas ocupações, com o propósito de também ocupar outras unidades a partir da próxima semana. Ela garante que a meta não é danificar o patrimônio público, mas sim, lutar justamente pelo aperfeiçoamento dele. "Não somos vândalos, somos estudantes que buscam melhorias de fato. Esperamos que esses diálogos com os outros grêmios também resultem em ampliação dessas ações. Apenas juntos poderemos reprovar essa 'PEC da vergonha e do descaso'", declarou.

Da bancada sergipana votaram a favor da PEC os deputados: Fábio Réis, Adelson Barreto, Pastor Jony, André Moura, Laércio Oliveira e Fábio Mitidieri. Votaram contra o projeto os deputados: João Daniel, e Bosco Costa que substitui Valadares Filho - candidato a prefeito de Aracaju.